Gabriela Biló/Estadão
Gabriela Biló/Estadão

Haddad diz que seu horário está 'disponível' para defender Lula

PT determinou que candidatos do partido façam defesa de ex-presidente durante a propaganda eleitoral

Daniel Weterman, São Paulo

17 de setembro de 2016 | 13h54

Na semana em que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi denunciado pela força-tarefa da Lava Jato por corrupção e lavagem de dinheiro, o prefeito de São Paulo e candidato à reeleição, Fernando Haddad (PT), afirmou que o horário eleitoral destinado a ele no rádio e na TV estará disponível para defender o ex-presidente. Na sexta-feira, 16, a executiva nacional da legenda orientou os candidatos nas capitais e demais cidades com segundo turno a usarem o tempo contra o que o partido chama de "perseguição política e judicial" contra Lula. "O horário está disponível para o PT, como o PT achar melhor usar", disse Haddad.

Em reunião na manhã deste sábado no Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo, o público recebeu o petista com gritos de "Haddad de novo com a força do povo", mesmo lema usado por Lula quando concorreu à reeleição para a Presidência da República, em 2006, e apropriado por Haddad em seus programas eleitorais no rádio e na TV a partir da última semana.

Em seu discurso, o candidato concentrou ataques aos adversários Marta Suplicy (PMDB), Celso Russomanno (PRB) e João Doria (PSDB), candidatos que estão à frente nas pesquisas de intenção de voto. O petista chamou os eleitores a usarem os últimos dias de campanha antes do primeiro turno para convenceram as pessoas a votar nele, que disputa um lugar no segundo turno.

"Russomanno, Doria e Marta estão no mesmo campo, inclusive com propostas inconstitucionais, como essa que limita o gastos sociais por 20 anos", disse Haddad, em referência à Proposta de Emenda à Constituição (PEC) enviada pelo governo de Michel Temer ao Congresso Nacional que prevê que as despesas primárias do governo federal terão crescimento limitado à inflação do ano anterior.

Direcionando os ataques à ex-colega de partido, a campanha de Haddad produziu um adesivo com as frases "Fora Temer, Fora Marta, Fica Haddad", que estava sendo usado por simpatizantes. "A Marta já declarou que vai votar a favor dessa proposta (da PEC dos gastos). Vindo de onde ela vem, é uma contradição enorme com a trajetória dela", afirmou.

Segundo o petista, os ataques devem ficar mais marcados no debate que será realizado pela parceria Estadão, TV Gazeta e Twitter neste domingo, 18. "Cada debate vai ser melhor que o anterior, as propostas vão ficando mais claras e é natural que se explore melhor  o programa dos adversários", afirmou.

Na reunião deste sábado, um grupo de funcionários do Sistema Único de Saúde (SUS) lançou em manifesto de apoio à reeleição de Haddad. O secretário de Saúde da capital e ex-ministro de Lula e Dilma Rousseff, Alexandre Padilha, também criticou o governo Temer e disse que a proposta de teto dos gastos vai tirar recursos da Saúde . Ele também afirmou que o "governo golpista" é apoiado pelos candidatos Marta Russomanno e Doria.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.