AFP
AFP

Haddad diz a TV que Bolsonaro somente produziu discórdia, violência e agressão na vida pública

Em entrevista exibida pela 'TV Aparecida', candidato do PT nas eleições 2018 também afirmou ser contra a privatização da Petrobrás e dos Correios

Mateus Fagundes, O Estado de S.Paulo

24 de outubro de 2018 | 21h24

O candidato do PT à Presidência nas eleições 2018, Fernando Haddad, afirmou em entrevista exibida na noite desta quarta-feira, 24, pela TV Aparecida que o concorrente dele, Jair Bolsonaro (PSL), teve "produção zero" durante a vida parlamentar dele.

"Bolsonaro é um privilegiado. Ele é deputado há 28 anos, ele tem um aparato de assessores enorme, o custo de manter um deputado é enorme. E a produção dele é zero, a não ser a discórdia, a violência e a agressão", disse o petista.

Durante a conversa, Haddad tentou se associar a valores cristãos e antagonizar com Bolsonaro. "Bolsonaro não tem compromisso com democracia e apoia a tortura. Como alguém se diz comprometido com a vida e quer armar a população?", disse.

O petista fez ainda uma defesa do Estado laico. "Todo mundo tem que ter vez. O Estado tem de abraçar todas as crenças. Isso tem a ver com o amor. É muito grave um candidato se associar a somente uma igreja", afirmou.

Ele também repetiu que vai lutar para que a Justiça "reforme a sentença" que condenou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, condenado e preso pela Operação Lava Jato.

Candidato é contra venda de "patrimônio nacional"

O candidato também afirmou na entrevista que a proposta dele, em caso de ser eleito, é "contra a venda do patrimônio nacional". "Nós não vamos vender a Petrobrás, o Banco do Brasil, a Caixa, os Correios. São estatais estratégicas para a nação", afirmou. "Mas vamos fazer parcerias para acabar o Comperj, a Refinaria Abreu e Lima, por exemplo."

O petista acusou ainda o concorrente Jair Bolsonaro de pregar a privatização. Haddad afirmou que o "PT não privatizou, mas fez concessões." 

Para Haddad, Bolsonaro apoia governo de Michel Temer

Fernando Haddad buscou relacionar o concorrente dele, Jair Bolsonaro (PSL), a ações tomadas pelo governo de Michel Temer.

"O nosso projeto é fortalecer a Polícia Federal, o Ministério Público Federal, a Controladoria, o Judiciário. O meu adversário apoia o governo Temer, que é contra essas medidas", disse o candidato.

O petista afirmou ainda que Bolsonaro apoiou em todas as votações as pautas "impopulares" do governo Temer. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.