Tiago Queiroz / Estadão
Tiago Queiroz / Estadão

Haddad defende solução democrática para Venezuela e critica EUA

'Você não tem dúvida que nossa preocupação com nossos vizinhos tem de ser permanente. Não podemos correr o risco de declarar guerra à Venezuela ou permitir a instalação de uma Base dos Estados Unidos no Brasil', diz candidato do PT

Cristian Favaro, O Estado de S.Paulo

15 de outubro de 2018 | 14h44

O candidato do PT ao Planalto, Fernando Haddad, atacou o que ele chamou de tentativa dos Estados Unidos de influenciar a América do Sul. A fala de Haddad veio após questionamento, em entrevista à Rádio Capital, nesta segunda-feira, sobre os desafios de governos vizinhos, como a Venezuela.

"Você não tem dúvida que nossa preocupação com nossos vizinhos tem de ser permanente. Não podemos correr o risco de declarar guerra à Venezuela ou permitir a instalação de uma Base dos Estados Unidos no Brasil", afirmou Haddad, em referência a uma negociação entre os governos brasileiro e dos EUA para utilizar a Base de Lançamento de Alcântara, da Força Aérea Brasileira, no Maranhão.

Na sua resposta, o candidato do PT fez referência aos conflitos permanentes no Oriente Médio, que decorreriam das brigas pelo petróleo. "Não podemos permitir que os americanos se metam na América do Sul. Se a Venezuela está com problemas, não é a guerra a solução. Temos de chamar a ONU. Chegar na Venezuela com uma solução democrática. Sou contra o militarismo", disse Haddad.

Haddad reforça críticas à reforma trabalhista

O candidato do PT reforçou suas críticas à reforma trabalhista, aprovada pelo governo de Michel Temer, que seria responsável por "prejuízos enormes". "Bolsonaro votou a favor dela", alfinetou Haddad. "Nós não vamos ser País forte com trabalhador fraco. País forte tem de contar com trabalhador com renda", disse o petista.

A pauta da Previdência, entretanto, ganhou o apoio de Haddad. "Os chamados regimes públicos precisam ser reestruturados", disse, apontando o desafio de Estados como Minas e Rio em arcar com sua folha de pagamento. "Agora nossa meta final é ter regime único de previdência. Porque é o justo".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.