Ricardo Galhardo/Estadão
Ricardo Galhardo/Estadão

Haddad defende 'conversa permanente' com PSDB em defesa da democracia

Candidato do PT à Presidência afirmou que diálogo é ainda mais necessário quando legitimidade do processo eleitoral é questionada

Ricardo Galhardo, O Estado de S.Paulo

17 de setembro de 2018 | 09h04

O candidato do PT à Presidência da República, Fernando Haddad, defendeu na manhã desta segunda-feira, 17, a manutenção de uma "conversa permanente" com o PSDB em torno de uma agenda de Estado que permita a estabilidade democrática e o respeito ao resultado eleitoral. As declarações foram dadas na Capela das Irmãs da Maria Imaculada, em São Paulo. Segundo Haddad, o diálogo se tornou ainda mais necessário depois das declarações do presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) que em vídeo divulgado no domingo colocou em dúvida o sistema de urnas eletrônicas

No domingo, o petista disse que a autocrítica feita pelo tucano Tasso Jereissati em entrevista ao Estado "é muito importante e constrói possibilidade de diálogo depois das eleições".

"Na verdade eu reagi à entrevista corajosa que o Tasso Jereissati deu. É uma afirmação importante essa de respeitar o resultado eleitoral, desejar boa sorte ao eleitor, estabilizar as instituições, ter uma agenda de estado para fortalecer a democracia. Isso tudo tem que estar na agenda. Sobretudo agora. Você viu as declarações de ontem?", disse Haddad.

Na entrevista ao Estado, Jereissati, que é presidente do Instuto Teotônio Vilela, fez uma avaliação crítica sobre a postura do PSDB desde a reeleição da presidente cassada Dilma Rousseff. "O partido cometeu um conjunto de erros memoráveis. O primeiro foi questionar o resultado eleitoral (...) O segundo erro foi votar contra princípios básicos nossos, sobretudo na economia, só para ser contra o PT. Mas o grande erro, e boa parte do PSDB se opôs a isso, foi entrar no governo Temer", disse o tucano.

Indagado se a conversa com o PSDB seria no segundo turno ou depois da eleição, Haddad respondeu que "a conversa é permanente". O candidato do PT participou de uma missa ao lado da mulher, Ana Estela, em comemoração aos 30 anos de casamento. O padre Rodolpho Perazzolo, que conduziu a missa, foi o mesmo que celebrou o casamento de Haddad 30 anos atrás e é amigo do casal. 

"Eles celebraram as bodas de 25 anos também, estamos sempre juntos. São pessoas que têm fé. É importante dizer isso", disse o padre. Na quinta-feira, 20, Haddad deve participar do primeiro debate entre os presidenciáveis promovido pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), no Santuário de Aparecida. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.