DANIEL TEIXEIRA/ESTADÃO
DANIEL TEIXEIRA/ESTADÃO

‘Há ausência de crédito para fomentar o Estado’

Luiz Marinho, do PT, defende a criação de um novo banco público para ‘fomentar a economia paulista’

Entrevista com

Luiz Marinho, candidato do PT ao governo de São Paulo

Adriana Ferraz e Fabio Leite, O Estado de S.Paulo

14 de setembro de 2018 | 05h00

Com o pior desempenho nas pesquisas (5%) entre os últimos candidatos do PT ao governo de São Paulo, Luiz Marinho tem apostado na superexposição do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em sua campanha para tentar chegar ao segundo turno, fato que não ocorre na eleição estadual desde 2002. Ex-prefeito de São Bernardo do Campo (2009-2016), ele defende um novo banco público, aumento salarial para categorias como policiais e professores e ampliação do ensino integral para 30% dos alunos. Questionado sobre como terá recursos para isso, diz apenas que vai investir “em eficiência de gestão”.

O sr. promete aumentar de 5% para 30% o número de vagas em ensino de tempo integral, mais de um 1 milhão de alunos, em 4 anos. Mas em São Bernardo criou 32 mil em 8 anos. Como vai dar esse salto no Estado?

Educação será prioridade do nosso governo, junto com cultura e esporte. Tínhamos 32 mil alunos em São Bernardo no contraturno escolar, conceito de educação de tempo integral e não escola de tempo integral, o que é diferente. Para falar de escola de tempo integral, nós teríamos que reconstruir 100% das escolas, que não têm condição de receber bem nossa juventude nesse conceito. A ideia é utilizar equipamentos ociosos nas cidades em parceria com municípios, entidades, clubes, para oferecer atividade esportiva e cultura. Um conceito que fizemos e funcionou muito bem. Acabou de sair o Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica) e São Paulo voltou para trás, retrocedeu. Em São Bernardo, peguei com 5.1 o Ideb e hoje está com 6.9.

O sr. fala que vai gerar emprego retomando obras paradas no Estado, mas seu sucessor em São Bernardo, Orlando Morando (PSDB), disse ter herdado mais de 20 obras paradas.

Isso não é verdade. Deixei obras em andamento. O prefeito atual, por opção política dele, parou as obras por mais de um ano. Estavam em ritmo lento, mas nenhuma parada.

O seu sucessor disse que o sr. deixou R$ 200 milhões de restos a pagar sem dinheiro em caixa, até uma dívida R$ 6,4 milhões referente a três meses de contas de luz da Prefeitura não pagas.

Se tivesse deixado a cidade sem dinheiro, ele não teria pago os fornecedores. O atual prefeito está mentindo.

Mas ele teve de enviar um projeto à Câmara para parcelar a dívida e até o PT votou a favor.

É possível que tenha ficado uma coisa ou outra. Mas o que estou dizendo é que a cidade ficou arranjada. Veja o rating da cidade, os indicadores do Tribunal de Contas.

Sua campanha começou explorando a imagem do Lula, dizendo que Lula é Marinho. E agora, vai colocar Haddad na campanha?

Lula continuará sendo Marinho e Haddad também. Estamos estudando ainda (se Haddad estará na campanha).

Como gerar emprego em São Paulo com a crise no País?

Fazendo a economia paulista funcionar. Primeiro, resolvendo um gargalo que é ausência de crédito para fomentar a economia paulista. Os tucanos, na ânsia de privatizar tudo, venderam os bancos que poderiam fomentar a economia. Criaremos um banco de fomento e desenvolvimento para ter crédito para pequeno produtor, comerciante e inovador.

De onde vai tirar dinheiro para aumentar esses investimentos?

Inversão de prioridade e eficiência da gestão. O Estado aparentemente tem muito desperdício na gestão dos recursos. Vamos melhorar a eficiência da gestão do Estado, combater fortemente a sonegação fiscal.

Seus adversários têm apostado no discurso duro de combate ao crime, enquanto seu programa de segurança ressalta o viés dos direitos humanos. Como serão as polícias num eventual governo do PT em São Paulo?

Em São Bernardo, implantamos 400 câmeras de monitoramento, integramos a guarda municipal com a polícia e fizemos gestão de conflitos nas comunidades, reduzindo drasticamente a criminalidade. É preciso reestruturar a polícia, pagar melhores salários, porque o PSDB desmontou a polícia, especialmente a Civil. A política de segurança do governo foi fazer presídios e, junto, foi o crime organizado. Não vou construir um único presídio, vou fazer as audiências de custódia funcionarem.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.