Gurgel vê caso como 'calúnia' e Dantas vai ao STF

O procurador-geral da República, Roberto Gurgel, classificou de calúnia as acusações de Protógenes Queiroz. "A calúnia foi feita imediatamente após terem sido requeridas diligências em inquérito a que o deputado responde no STF, circunstância que fala por si mesma", declarou Gurgel.

O Estado de S.Paulo

29 de maio de 2013 | 02h06

A defesa de Daniel Dantas disse que entrou com queixa-crime no Supremo Tribunal Federal contra o deputado Protógenes Queiroz (PC do B-SP) por calúnia e injúria. A ação é decorrente das declarações do parlamentar na OAB de São Caetano do Sul. "Ingressamos com queixa-crime no STF, imputando ao deputado calúnia e injúria, não acobertadas pela imunidade parlamentar", disse o advogado de Dantas, Andrei Zenkner. A assessoria do Opportunity destaca que a Justiça decretou a nulidade da Satiagraha. A criminalista Elizabeth Queijo, que defende Roberto Demarco, assinalou que os autos estão sob sigilo. "Sobre o conteúdo da decisão estou impedida de comentar pelo dever do sigilo. Esse caso para mim está sob sigilo. Por essa exclusiva razão não vou me manifestar. A defesa deve apresentar medidas nos próximos dias em relação a isso."

O ministro Gilmar Mendes preferiu não falar sobre as declarações de Protógenes.

O deputado não respondeu ao contato da reportagem do Estado. / RICARDO CHAPOLA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.