Gurgel só tomará decisão após o fim de julgamento

O procurador-geral da República, Roberto Gurgel, informou ontem que vai esperar a conclusão do julgamento do mensalão no Supremo Tribunal Federal para anunciar qual encaminhamento dará ao novo depoimento do empresário Marcos Valério. O documento não faz parte de nenhum processo e Gurgel terá de decidir se vai apurar a acusação, enviá-la a instâncias inferiores ou arquivá-la.

EDUARDO BRESCIANI / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

12 de dezembro de 2012 | 02h08

No depoimento, Valério afirmou que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva deu o "ok" para o mensalão e teve despesas pessoais pagas pelo esquema. O ex-presidente teria se reunido com a direção da empresa Portugal Telecom para negociar uma remessa de R$ 7 milhões para o PT.

Como Lula é ex-presidente e não tem mais foro privilegiado, uma possibilidade levantada dentro do Ministério Público seria a de remeter o caso à primeira instância. Se adotar esse caminho, Gurgel cuidaria somente da acusação contra o senador Humberto Costa (PT-PE), que teria sido beneficiado pelo valerioduto.

A presença do senador abre uma porta para que o procurador-geral fique com toda a investigação. Assim, a cúpula do MP teria o controle da investigação.

Gurgel pode ainda enviar informações para processos que são desmembramentos da ação principal do mensalão. Um deles, que trata de empréstimos feitos no banco BMG, tramita no STF.

O procurador-geral também pode abrir um procedimento interno, numa espécie de investigação prévia. Outra opção é Gurgel entender que não há novos dados e arquivar o depoimento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.