Gurgel muda de ideia e manda para Minas acusação contra Lula

Depoimento de Valério no qual diz que ex-presidente recebeu dinheiro do mensalão ficará com procuradores do Estado

BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

07 de fevereiro de 2013 | 02h04

O procurador-geral da República, Roberto Gurgel, encaminhou ontem ao Ministério Público Federal em Minas Gerais o depoimento no qual o empresário Marcos Valério Fernandes de Souza afirma que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva sabia do mensalão e teve contas pessoais pagas pelo esquema. O conteúdo do depoimento foi revelado pelo Estado em dezembro passado.

Inicialmente Gurgel tinha anunciado que a investigação seria remetida para São Paulo. No entanto, na noite de anteontem, o procurador disse que reexaminou o caso e estava em dúvidas sobre para onde mandar. Ele concluiu, então, que seria melhor encaminhar para Minas Gerais.

"De início, tendi, realmente, para São Paulo. Mas hoje estava examinando a questão de Minas, onde há alguns feitos que foram desmembrados do Supremo", afirmou Gurgel anteontem à noite. "Quero me certificar de que enviei para o local (Estado) mais adequado", completou ele.

Lula não foi investigado no processo do mensalão que foi julgado pelo Supremo Tribunal Federal no segundo semestre do ano passado. Na época das investigações, o Ministério Público tinha concluído que não havia indícios de participação do ex-presidente no esquema.

No entanto, em setembro do ano passado, Marcos Valério prestou um novo depoimento no qual levantou as suspeitas contra Lula. Como o julgamento já estava em andamento, não era mais possível incluir o ex-presidente no processo que tramitava no Supremo.

Foro. Enquanto exerceu o cargo de presidente da República Lula tinha a prerrogativa de somente ser investigado e processado perante o Supremo.

Essa prerrogativa é conhecida como foro privilegiado. Mas, ao deixar o cargo, Lula perdeu esse benefício. Ou seja, os eventuais inquéritos e processos contra o ex-presidente têm de tramitar na Justiça de primeira instância nos Estados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.