Guerra critica Clóvis Carvalho e preserva ponte com DEM

O presidente nacional do PSDB, senador Sérgio Guerra (PE), subiu o tom da reprimenda ao secretário municipal de São Paulo, Clóvis Carvalho, pelas críticas que este fez ao candidato do partido a prefeito da capital paulista, Geraldo Alckmin. Guerra teve, porém, a cautela de não entrar em confronto com o prefeito Gilberto Kassab (DEM), que disputa a reeleição e concorre com Alckmin para conseguir vaga no segundo turno contra a candidata, Marta Suplicy, da "Uma Nova Atitude para São Paulo" (PT-PCdoB-PDT-PTN-PRB-PSB).Depois de conversar, hoje, com o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) e com o governador de São Paulo, José Serra (PSDB), Guerra desembarcou em Brasília hoje à tarde, e insistiu na afirmação de que, como presidente do PSDB, considera "injusta e equivocada" a crítica do ex-ministro Clóvis Carvalho.Em entrevista, Carvalho afirmou que o candidato tucano não tem "projeto nem moral" para criticar Kassab - "São Paulo no Rumo Certo" (DEM-PR-PMDB-PRP-PV-PSC). Na avaliação do presidente do PSDB, a declaração não só produziu a reação de lideranças tucanas, como aumentou a tensão no campo da oposição, justamente na reta final da campanha que é "muito importante para o partido e para o País".Como a temperatura da crise subiu, Guerra evitou qualquer reparo aos ataques de Kassab. Sua maior preocupação é preservar a interlocução com o DEM, para fazer a costura da unidade da oposição ao PT no segundo turno da eleição paulistana. Por isto mesmo, limitou-se a fazer a defesa de Alckmin, "um homem público correto, que todo o partido admira". Acrescentou que as acusações do candidato da coligação "São Paulo, na Melhor Direção" (PSDB-PTB-PHS-PSL-PSDC) "não são apoiadas pelo PSDB que tem nele seu candidato para vencer em São Paulo".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.