Gravações atestam elo de ex-assessor do DF com o grupo

Ex-subsecretário João Feitosa aparece em escutas da polícia negociando valores com integrantes da organização criminosa

ROSA COSTA/ BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

16 de abril de 2012 | 03h05

Ex-subsecretário de Esporte do governador Agnelo Queiroz, do Distrito Federal, João Carlos Feitosa, conhecido como Zunga, é um dos mais frequentes interlocutores dos operadores do grupo comandado pelo contraventor Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira.

Em entrevista ao Estado, Zunga negou trabalhar para Cachoeira. No entanto, mencionou nomes de integrantes do grupo, como o do sargento Idalberto Matias (Dadá), antes mesmo que fosse questionado a respeito de sua ligação com essas pessoas.

"O Carlinhos (Cachoeira) eu conheço através do futebol, de peladas e vim a conhecer algum outro tipo de pessoas por outro tipo de amizades que eu tenho em Brasília", disse ele, por exemplo. E, em seguida: "O Idalberto da mesma forma. Mas sem nenhum outra relação, não tinha conhecimento do que se passava das atividades deles".

Uma escuta telefônica de 8 de abril de 2011, de e menos de um minuto, mostra Zunga pedindo a Rosalvo Simprini Cruz, contador de Olímpio Quiroga Neto - que integra o grupo de Cachoeira - que deposite dinheiro em sua conta. E cita o número da conta do Banco Regional de Brasília (BRB). "Em nome de quem?", pergunta o contador. E Zunga informa: "João Carlos Feitosa".

Os telefonemas grampeados na Operação Monte Carlo revelam que Zunga não gostou de receber o pagamento semanal de R$ 2,5 mil para colaborar com o grupo. Olímpio perguntou a Rosalvo, em fevereiro do ano passado, se está "tudo certinho", com relação ao pagamento do servidor do governo do DF. Ele responde: "Tá, não sei se ele não gostou muito do valor, falei é dois e meio, aí ele (pergunta) se é só isso".

Aumento. Olímpio pede para lembrar que o pagamento é semanal. Outras conversas grampeadas mostram que o valor da propina subiu para R$ 3 mil. Em dezembro, Zunga aparece pedindo a outro operador de Cachoeira, chamado de "Lenine" ou "Baixinho", que adiante o pagamento. "Queria ver com você se dava pra dar uma adiantada naquele negócio aí pro Natal, se possível". Lenine diz que vai "dar uma olhada no caixa" e que mandará o dinheiro "até o dia 24".

Exonerado. Zunga foi exonerado da subsecretaria de Esporte em setembro e nomeado para um emprego de fachada na Fundação de Amparo ao Preso (Funap), órgão subordinado do Governo do Distrito Federal.

Os demais servidores e a segurança do local não sabiam que ele trabalhava na Fundação.

Na semana passada, o ex-subsecretário de Esporte de Agnelo foi demitido da Funap.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.