Paulo Wendel/TV Jangadeiro
Paulo Wendel/TV Jangadeiro

Governador vira guarda de trânsito no Ceará

Após testemunhar uma colisão, Cid Gomes (Pros) saiu de seu veículo oficial e tentou a todos custo retirar carro de via

Valmar Hupsel Filho, O Estado de S. Paulo

17 de outubro de 2014 | 19h54

O governador do Ceará, Cid Gomes (Pros), bancou o guarda de trânsito nesta sexta-feira, 17, em Fortaleza. Após testemunhar uma colisão entre um ônibus e um carro particular, Cid tentou a todo custo convencer a dona do veículo a liberar o trânsito. Para isso, ofereceu-se a pagar o prejuízo, tentou remover o ônibus da pista e apelou para a "carteirada" com o clássico "eu sou o governador", mas não convenceu uma irredutível motorista. 

A colisão aconteceu por volta das 7h30 desta sexta na BR-116, na saída da capital cearense, e não teve qualquer gravidade. Mesmo assim, cerca de duas horas depois, o fluxo de veículos permanecia congestionado. O ônibus e o veículo particular permaneciam no local do acidente porque até aquele momento não havia agentes de trânsito. 


Por volta das 9h30, Cid, que seguia para o interior do Estado, passou pelo local. Ao perceber que o motivo do longo congestionamento era um acidente sem gravidade, resolveu, ele mesmo, liberar o fluxo. Saiu do carro oficial e, acompanhado de assessores, pediu para a motorista para retirar o veículo da pista. "Eu pago o conserto", disse ele. 

Momentos antes, Cid chegou a sentar na cadeira do motorista do ônibus, enquanto um assessor orientava o trânsito. Sem carteira específica para dirigir ônibus, o governador não conseguiu remover o veículo do local. 

Ao sair do ônibus, disse "eu vou tirar esse carro da rua", mas ouviu "não vai não", como resposta da motorista e de testemunhas. "Esse carro está atrapalhando o trânsito, e eu sou o governador do Estado", disse. E ouviu como resposta "é governador, mas não é dono do mundo não". Enquanto discutia, Cid orientava o fluxo, pedindo com as mão para que os motoristas passarem. 

A discussão ainda teve nuances políticos. Um homem chegou a gritar que o governador fazia aquela confusão porque o ônibus transportava a militância paga do candidato ao governo do Ceará, Eunício Oliveira (PMDB). O peemedebista concorre no segundo turno contra Camilo Santana (PT), que é apoiado pelos irmãos Gomes. A disputa está acirrada no Estado, com 51% para o petista e 49% para o peemedebista. 

Cid Gomes não quis comentar o episódio. Segundo sua assessoria, o que aconteceu retrata o perfil do governador, que tem o costume de "meter a mão na massa" e resolver, ele mesmo, os problemas. 

Em dezembro passado ele protagonizou outra cena inusitada. Diante da dificuldade de um técnico em liberar o fluxo de água em uma caixa d'água, no município de Itapipoca, o governador, que é engenheiro de formação, tirou a roupa e mergulhou no tanque de uma adutora para liberar uma ventosa. 

Tudo o que sabemos sobre:
Cid GomesCeará

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.