Governador faz 'contatos políticos' em feriados, diz sigla

O PSB argumentou, em nota, que não interrompe seu funcionamento "em época nenhuma do ano". "Aliás, o presidente Eduardo Campos até aproveita fins de semana e feriados, inclusive de carnaval, para participar de reuniões e realizar contatos políticos cuja divulgação é feita no momento estrategicamente mais conveniente", explicou.

BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

16 de fevereiro de 2014 | 02h10

O PSB sustentou que só cobre "despesas realizadas por dirigentes e militantes em atividades relacionadas com o funcionamento do partido." Porém, não respondeu a reiterados questionamentos do Estado para detalhar quais foram os compromissos dessa natureza cumpridos por Campos no carnaval carioca de 2012. Também não informou se, além do governador e sua mulher, outras pessoas ficaram no quarto nos seis dias reservados pelo PSB.

O governo de Pernambuco não respondeu a e-mail enviado na quarta-feira e a telefonemas do Estado para a assessoria de imprensa. Questionado pessoalmente na sexta-feira, na saída de um evento em Brasília, Campos disse que só se pronunciaria por meio da nota enviada pelo PSB.

O deputado federal Márcio França (SP), tesoureiro do partido, disse não se recordar da nota fiscal, mas explicou que, em períodos de carnaval, os hotéis costumam locar quartos apenas por temporadas, não reservando diárias únicas. Para o carnaval de 2014, segundo o Ceasar Park, não há essa restrição.

Segundo França, não só compromissos oficialmente divulgados, mas conversas e atos de filiação podem ser entendidos como atividades partidárias. "Se você está na Marquês (de Sapucaí) num evento e, concomitantemente, tem uma atividade partidária, é difícil você especificar isso, não é? Se você for num evento desses e trouxer uma pessoa para dentro do partido é muito bom", comentou, dizendo ter ido ao desfile e se recordar de Campos conversando com o vice-governador do Rio, Luiz Fernando Pezão (PMDB). "Não tem um manual de regras sobre isso. Ele é presidente do partido o tempo todo. É difícil um cara como ele não fazer contatos políticos", acrescentou.

A Stylus Turismo informou que questionamentos deveriam ser direcionados a Campos. O Hotel Ceasar Park não deu detalhes da hospedagem. / F.F.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.