Amanda Perobelli/Estadão
Amanda Perobelli/Estadão

Maior presente que vamos dar para o Lula é ganhar a eleição e tirar ele daqui, diz Gleisi

Durante ato pela democracia em Curitiba, a presidente do PT pediu para que apoiadores não desistam e continuem a virar votos

Katna Baran, O Estado de S.Paulo

27 de outubro de 2018 | 19h25

CURITIBA - No aniversário de 73 anos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, condenado e preso pela Operação Lava Jato em Curitiba, nesta sábado, 27, a presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann, disse que o maior presente que ele poderia receber é Fernando Haddad (PT) ganhar as eleições 2018 “e tirar o Lula daqui”. Integrantes da vigília em defesa do petista fizeram um ato em frente a carceragem da Polícia Federal com bolo e apresentações culturais. 

"O maior presente que vamos dar para o Lula é ganhar a eleição. E tirar o Lula daqui. Aqui não é lugar de Lula, o lugar de Lula é na rua, com o povo, defendendo os direitos da população", disse. Ela contou ainda ter visitado o ex-presidente na sexta-feira e que ouviu dele: "Vocês não desistam nunca."

O ex-presidente Lula está preso desde abril, condenado a 12 anos e um mês de prisão no caso do triplex. Quando Haddad assumiu a cabeça de chapa, foi questionado se concederia um indulto a Lula, negando a pergunta. 

No ato desta tarde, a senadora pediu aos presentes ao ato que não se intimidem, não desistam. "Eles não sabem o que falar, por isso gritam, empunham arma, temos que ir para a rua até o último momento", pediu. "As pessoas estão fazendo campanha espontaneamente, estão virando o voto." 

Gleisi afirmou ainda que com a saída do PT do governo “a voz do povo” foi calada. "Não deixaram Lula dar entrevista durante o processo eleitoral, não deixaram o cantor Roger Waters visitá-lo." 

Ato de aniversário de Lula tem apresentações culturais e bolo de 50kg

Coordenadores de movimentos populares e sociais, como do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST) e Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), fizeram homenagens ao ex-presidente e também em defesa à candidatura de Haddad. Após o ato, foi servido um bolo de 50 kg, com a inscrição “Lula Livre”, para os presentes.

Um dos discursos mais críticos do evento foi do líder do MST, João Pedro Stedile, que chamou de juiz “de merda” o magistrado que tomou a decisão de inspecionar supostos atos políticos dentro de universidades. Também criticou o posicionamento do ministro do Supremo Tribunal Federal, Edson Fachin, relator da Lava Jato no STF, a quem chamou de “traidor”. 

“Para os ruins, haverá inferno para todos, inclusive para juízes e ministros”, citou o ditado. Ele defendeu ainda uma ampla reforma do Judiciário, fazendo com que juízes – ao menos de segunda instância – sejam escolhidos por votação popular.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.