Amanda Perobelli/Estadão
Amanda Perobelli/Estadão

Giannetti diz que economista de Bolsonaro 'não sabe onde está se metendo'

Coordenador econômico de Marina Silva (Rede) diz que Paulo Guedes é 'liberal puro sangue' e o presidenciável do PSL é nacionalistas e tem tendências intervencionistas na área econômica

Circe Bonatelli, O Estado de S.Paulo

24 de abril de 2018 | 13h59

O economista Eduardo Giannetti, coordenador do plano econômico da pré-candidata Marina Silva (Rede), brincou com o fato de seu colega Paulo Guedes passar a integrar a equipe do deputado federal e pré-candidato Jair Bolsonaro (PSL). "Ele não sabe onde está se metendo", afirmou.

++ Marina Silva não defenderá mais independência institucionalizada do BC

++ 'O governo virou gestor de folha de pagamento', diz economista

Giannetti lembrou que o economista Paulo Guedes é um "liberal puro sangue", enquanto Bolsonaro é um militar nacionalista e de tendências intervencionistas na área econômica. "Não sei quem está enganando quem", brincou, despertando risos durante seminário que reuniu empresários do mercado imobiliário na capital paulista.

Segundo colocado nas pesquisas de intenção de voto para a Presidência da República, Bolsonaro já deu diversas declarações públicas apontando Guedes como responsável por chefiar a área econômica na composição de um eventual governo.

As declarações de Giannetti foram uma resposta a questionamento durante o seminário. Questionado também sobre outro presidenciável, Ciro Gomes (PDT), Giannetti disse ver que o pré-candidato mostra uma "certa destemperança", e observou que há uma aproximação com economistas de vertente desenvolvimentista, além do reconhecimento da necessidade de reestruturação da dívida pública. Mesmo perguntado, ele preferiu não comentar sobre os rumos das propostas de Marina Silva para não "fazer palanque" durante o seminário, conforme suas próprias palavras. 

PSB. Giannetti afirmou que não mantém conversas com o presidenciável Joaquim Barbosa (PSC) para colaboração com propostas do seu plano de governo e reiterou seu apoio à pré-candidata Marina Silva (Rede). Segundo Giannetti, a última reunião que teve com Barbosa aconteceu há mais de seis meses.

"Conversamos de tudo, menos economia", afirmou, em breve entrevista ao Broadcast. O economista ainda disse que tinha o desejo de uma aproximação entre Marina e Barbosa, mas isso se mostrou "inexequível", segundo suas palavras. Perguntando sobre os rumos da disputa eleitoral, Giannetti preferiu não comentar. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.