Genoino cria boletim para 'analisar o Brasil'

De volta à Câmara dos Deputados desde janeiro, o deputado José Genoino (PT-SP) passou a divulgar boletins quinzenais com análises sobre a conjuntura política do País e contestações ao julgamento do Supremo Tribunal Federal que o condenou a seis anos de prisão por participar do esquema do mensalão.

O Estado de S.Paulo

29 de março de 2013 | 02h06

O parlamentar é o último dos quatro dirigentes petistas punidos no julgamento do mensalão a voltar ao debate público sobre a política nacional. O ex-ministro José Dirceu, o deputado João Paulo Cunha e o ex-tesoureiro do partido Delúbio Soares costumam emitir suas opiniões em sites, redes sociais ou eventos organizados pelo PT. Genoino, no entanto, ficou em silêncio até voltar ao Congresso.

Para divulgar a retomada de sua atividade política, incluindo sua participação na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara, o deputado distribuiu esta semana seu primeiro boletim. Há uma série de relatos sobre eventos com sua participação, em que defende a reforma política, o respeito à diversidade sexual e o legado das gestões do PT à frente do governo federal.

"O Brasil sempre foi pensado para um quarto da população, e nós pensamos num Brasil pra todos. Mas a mudança não está completa, esse é um projeto em construção", declara o deputado, em uma das notas.

Ao comentar o julgamento do mensalão durante um encontro com militantes, Genoino afirma que não vai "abaixar a cabeça".

"O único patrimônio que posso deixar aos meus filhos é meu nome e minha trajetória de luta política, e por isso vou lutar até o fim para provar minha inocência", diz o deputado, no evento.

Em um vídeo, o deputado também elogia uma resolução do Conselho Federal de Medicina que recomenda a liberação do aborto até a 12.ª semana de gravidez.

"Isso torna obrigatória a rede pública de saúde e conveniada a dar um tratamento adequado para as mulheres que decidirem, de maneira livre e autônoma, por essa escolha", diz o parlamentar.

O boletim de Genoino é produzido por uma agência de comunicação e distribuído por e-mail.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.