'Geiza é mesmo uma mequetrefe', afirma advogado

"O revisor (Ricardo Lewandowski) entendeu minha tese, ele entendeu que a Geiza é mesmo uma mequetrefe", disse o advogado Paulo Sérgio Abreu e Silva, que defende Geiza Dias, ex-secretária na agência de Marcos Valério. "Todo mundo fez tese jurídica, a compreensão do fato, o dolo, aulas brilhantíssimas, mas resolvi chamá-la (Geiza) de mequetrefe porque ela era funcionária subalterna, muito abaixo dos sócios (da agência)."

O Estado de S.Paulo

13 de setembro de 2012 | 03h02

Segundo o advogado, Geiza "não conversou com dirigentes do Rural, nem com Delúbio (Soares), nem com José Genoino, muito menos com José Dirceu". "Ela ganhava R$ 1,1 mil de salário, mora em apartamentinho do BNH, luta muito para vencer na vida. Como o próprio Valério declarou, Geiza era apenas uma batedeira de cheques."

Para Lewandowski a ré "não era elo essencial, se ficasse doente qualquer um poderia executar suas funções". "O revisor foi feliz, examinou a prova, entendeu os anseios da defesa", avalia Abreu e Silva. "O relator Joaquim Barbosa só fala na prova de acusação. Isso pode criar injustiça." / FAUSTO MACEDO

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.