Reuters
Reuters

Geddel minimiza derrota do PMDB no Rio e em São Paulo

Ministro disse que Temer está satisfeito com o desempenho da base aliada do Governo

Isadora Peron, Brasília, O Estado de S.Paulo

02 de outubro de 2016 | 21h20

O ministro da Secretaria de Governo, Geddel Vieira Lima, minimizou a derrota do PMDB nos principais colégios eleitorais e afirmou que o presidente Michel Temer está satisfeito com o desempenho do candidatos dos partidos da base aliada.

Segundo o ministro, Temer deve manter a postura de neutralidade no segundo turno e não deve participar ativamente da campanha de nenhum candidato. O PMDB terá nomes disputando prefeituras em cinco capitais: Porto Alegre, Goiânia, Cuiabá, Maceió e Macapá. "O presidente já não participou no primeiro turno onde tinha dois partidos da base disputando, e não deve participar no segundo turno", disse.

O ministro afirmou que a prioridade do Palácio do Planalto vai continuar sendo a aprovação de projetos cruciais para o ajuste fiscal, como a Proposta de Emenda à Constituição que estabelece um teto para os gastos públicos. "Neste momento não existe PMDB, existe uma base aliada, nós temos a responsabilidade de governar o País", afirmou.

Para Geddel, "faz parte do jogo" o partido ter ficado fora do segundo turno no Rio e em São Paulo, onde o tucano João Dória venceu já no primeiro turno. "No Rio, a gente perde uma hegemonia de muito tempo e em São Paulo, já não tínhamos essa participação. Eu não vejo resultado de eleição municipal como algo que se deva debruçar com tanta enfase", disse.

ALCKMIM

Geddel também buscou relativizar o fato de que a vitória de Dória fortalece o nome do governador Geraldo Alckmin para a disputa presidencial de 2018. "Neste primeiro momento, Alckmin sai favorecido, mas o que isso vai significar em 2018? Muito pouco, quase nada, é outro momento, é outra eleição", afirmou.

O ministro disse que é muito melhor que Dória, que é de um partido da base aliada, tenha vencido em São Paulo, do que se o atual prefeito, Fernando Haddad, que é do PT, tivesse tido um bom desempenho na campanha. "Eu não sou mais liderança partidária, a minha avaliação é olhando o conjunto da base de sustentação, e nós vamos trabalhar para estarmos unidos em 2018", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.