Funcionário perdeu R$ 820 mil em uma 'saidinha de banco'

O Instituto Mundial de Desenvolvimento e da Cidadania (IMDC) já era investigado pelo Ministério Público de Minas e pela Procuradoria-Geral da República no Estado por suspeita de uma série de irregularidades. Pouco antes das eleições de 2010, um funcionário da Oscip foi vítima da maior "saidinha de banco" já registrada pela polícia mineira. Em setembro daquele ano, o funcionário foi roubado na saída de uma agência bancária após sacar R$ 820 mil em dinheiro. O Ministério Público suspeita que os recursos seriam usados para irrigar campanhas eleitorais. Segundo a PF, "nenhuma pessoa detentora de prerrogativa de função foi investigada" na Operação Esopo.

Marcelo Portela, O Estado de S.Paulo

10 de setembro de 2013 | 02h09

O presidente do IMDC, Deivson Oliveira Vidal, possui patrimônio que inclui mansão no condomínio Alphaville, na região metropolitana de Belo Horizonte - onde foram apreendidos carros de luxo, joias, R$ 80 mil em dinheiro e um helicóptero. / M.P.

Mais conteúdo sobre:
Ministério do Trabalhofraudes

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.