Funai confirma morte de índio em conflito com a PF

Segundo órgão, um mundurucu morreu durante ação policial contra extração ilegal de ouro em MT; polícia suspende operação e apura se houve excessos

FÁTIMA LESSA, ESPECIAL PARA O ESTADO / CUIABÁ , VANNILDO MENDES / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

09 de novembro de 2012 | 02h02

A Polícia Federal decidiu ontem suspender a Operação Eldorado, deflagrada na terça-feira para combater a extração ilegal de ouro em terras indígenas dos caiabis e mundurucus no norte de Mato Grosso. A coordenação da Fundação Nacional do Índio (Funai) em Alta Floresta, a 812 quilômetros de Cuiabá, confirmou a morte de um índio mundurucu durante conflito com policiais federais, anteontem, na aldeia Teles Pires.

A operação abrangeu uma região que inclui o norte de Mato Grosso (Matupá e Alta Floresta), Pará e Rondônia. Tinha como foco, também, combater a comercialização fraudulenta do ouro no sistema financeiro.

A PF iniciou ontem mesmo diligências para localizar o corpo do índio - que, segundo fontes de sua tribo, teria sido visto boiando em um rio e recolhido pelos próprios indígenas. Além disso, a PF quer recolher depoimentos de todos os lados para apurar se houve excesso de parte dos policiais e se cabe abrir processo disciplinar interno.

Em Belém, o Ministério Público Federal do Pará encaminhou ofício à presidente da Funai, Marta Maria do Amaral Azevedo, e ao superintendente da Polícia Federal em Mato Grosso, Cesar Augusto Martinez, solicitando informações sobre o episódio.

O levantamento da PF indica que 19 índios foram detidos - dois deles, feridos, levados para hospitais em Alta Floresta, e outros 17 conduzidos à PF em Sinop. Lá, deverão prestar depoimento ao delegado federal Antônio Carlos Moriel Sanchez, que comandou a ação e foi atingido de raspão por uma flecha.

Batalha. O confronto, segundo a PF, começou quando os policiais começaram a destruir dragas que os índios usavam na extração ilegal do ouro. O cacique da aldeia Papagaio, José Emiliano Krixi Mundurucu, o Camaleão, atacou o comandante da ação com uma bordunada na cabeça e cerca de 100 índios mundurucus foram ao ataque armados de arcos, flechas, bordunas e facões. A PF dispunha de helicóptero e lanchas, além das armas. A briga terminou com nove feridos: seis índios, um dos quais Camaleão, e três policiais, que incluem um integrante da Força Nacional de Segurança.

Segundo o coordenador da Funai em Alta Floresta, Clóvis Nunes, os índios relataram o momento em que foi morto o integrante da aldeia mundurucu. "O pai viu no momento em que o filho foi atingido por disparos de arma de fogo quando estava no Rio Teles Pires e sumiu", afirmou Nunes. O corpo, encontrado boiando em um rio ontem cedo, teria sido recolhido pelos índios.

As tribos da etnia mundurucu teriam sido incentivadas, diz a PF, por caciques envolvidos na extração de ouro a reagir e enfrentar a polícia, que ali chegou para interromper o garimpo.

O líder da área, Camaleão, é considerado a principal liderança indígena na região. Segundo a polícia, "ele é também proprietário de uma das balsas utilizadas para extração de ouro" e atua como "liderança defensora das atividades de exploração de ouro na área, além de executar diretamente os crimes apurados".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.