'Fui condenado por não revelar nomes e fontes'

Diretor do jornal Hoy e vice-presidente da SIP, o jornalista equatoriano Jaime Mantilla foi condenado, em dezembro, a três meses de prisão pela publicação de artigos contra o presidente do Banco Central, Pedro Delgado. Primo do presidente Rafael Correa, Delgado anunciou o perdão e desistiu do processo. Mantilla rejeita o perdão, mas não consegue levar adiante o recurso contra a condenação.

Entrevista com

CÁDIZ, O Estado de S.Paulo

24 de abril de 2012 | 03h04

Por que o sr. rejeita o perdão?

Porque não tenho nenhuma culpa de nada. Me condenaram porque não revelei os nomes dos jornalistas que fizeram o artigo nem a fonte da informação. A Constituição me dá esse direito. Quando faltavam dez dias para caducar a ação, porque se completariam dois anos, veio uma decisão.

O sr. pode recorrer?

Recorri, mas me negaram porque o senhor Delgado me perdoou. O processo está parado, simplesmente o paralisaram. É a manipulação da Justiça que existe no Equador.

Acredita que o governo vai aprovar a Lei de Comunicação?

Lamentavelmente a lei vai ser aprovada. O presidente vai impor a lei que ele quiser. / L.N.L.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.