Zeca Ribeiro/Câmara dos Deputados
Zeca Ribeiro/Câmara dos Deputados

Frente Parlamentar Agropecuária declara voto em Jair Bolsonaro nas eleições 2018

Representação política do agronegócio chega a mais de 200 parlamentares entre deputados e senadores

Camila Turtelli e Marcelo Osakabe, O Estado de S.Paulo

02 Outubro 2018 | 12h59
Atualizado 04 Outubro 2018 | 19h13

BRASÍLIA - A Frente Parlamentar Agropecuária (FPA) declarou oficialmente voto ao presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) nas eleições 2018 nesta terça-feira, 2. O grupo divulgou uma nota oficial de apoio ao candidato (leia a nota abaixo). 

Na semana passada, a presidente da FPA, a deputada federal Tereza Cristina (DEM-MS), ligou para cada um dos membros da bancada para definir a movimentação. Nesta semana, ela esteve reunida com o deputado Jair Bolsonaro e entregou a ele uma carta de compromissos. A nota de apoio a Bolsonaro é assinada por Tereza Cristina.

Apesar de muitos parlamentares, principalmente os de São Paulo, ainda manterem o apoio a Geraldo Alckmin (PSDB) até o fim do primeiro turno, não houve racha entre os membros da bancada. O partido de Tereza, o DEM, também mantém o apoio oficial ao tucano, como o pacto que foi firmado com o Centrão no início da campanha.

O ex-presidente da FPA e deputado tucano Nilson Leitão (PSDB-MT), candidato ao Senado, disse que a FPA representa o produtor e o setor produtivo, que têm um sentimento anti-PT, e que a frente está traduzindo isso.

Outro membro da bancada, o deputado Evandro Gussi (PV-SP) disse que Bolsonaro abraçou os temas fundamentais defendidos pela bancada.

 

Com o apoio da FPA, Bolsonaro ganha um forte aliado. Segundo levantamento do Estado, a representação política do agronegócio chega a 210 deputados e 26 senadores, num total de 236 políticos em exercício (39,7% dos congressistas), em 18 partidos. Essa articulação setorial ocorre na Frente Parlamentar Mista da Agropecuária (FPA), criada em 2015 com assinaturas de 198 deputados e 27 senadores (38% dos 594 congressistas), e que pode alcançar 260 votos, superando os 257 votos (maioria absoluta) exigidos para determinadas matérias. Do grupo na Câmara, 77% dos parlamentares concorrem à reeleição na Casa neste ano. Em nota publicada nesta terça-feira, a FPA diz reunir 261 deputados federais e senadores.

Alckmin afirma que manifestação da FPA a favor de Bolsonaro foi "desrespeitosa"

O candidato do PSDB à Presidência nas eleições 2018, Geraldo Alckmin, criticou a manifestação de apoio dada pela Frente Parlamentar Agropecuária (FPA) a seu adversário, Jair Bolsonaro (PSL). O tucano disse que deputados e senadores da frente não foram consultados e que a manifestação foi um ato "individual e extemporâneo".

"A manifestação da FPA foi até desrespeitosa. Eu também sou agricultor e não fui consultado. Deputados e senadores não foram consultados. Quem eles consultaram?", indagou Alckmin, que participou de um encontro de lideranças convocado pela União Geral dos Trabalhadores (UGT), na capital paulista.

Arnaldo Jardim (PPS-SP) diz que apoio de frente agropecuária é precipitado

O ex-secretário de Agricultura do governo de Alckmin em São Paulo e membro da FPA, o deputado federal Arnaldo Jardim (PPS-SP) chamou o apoio dos ruralistas a Bolsonaro de “precipitado”. “Achei isso absolutamente precipitado e indevido. Sou membro da FPA e fiquei surpreso com essa manifestação que achei extemporânea”, disse ele ao Broadcast Político.

Apesar da decisão dos ruralistas ter encontrado consenso entre os membros da diretoria, há divergências entre parlamentares que fazem parte do quadro da FPA e que preferem se manter ao lado de Alckmin até o fim do primeiro turno, como é o caso de Jardim e também da deputada federal Bruna Furlan (PSDB-SP).

Arnaldo Jardim é candidato à reeleição e tem forte apoio do setor, principalmente do segmento sucroenergético do Centro-Sul. Ele recebeu uma das maiores doações (R$ 250 mil) de campanha do empresário Rubens Ometto, fundador da multinacional Cosan, que se destacou, até o momento, como o maior financiador de campanhas nas eleições 2018. Em um possível governo Alckmin, Jardim seria um dos cotados para assumir um cargo de destaque na Agricultura.

Já Bruna é uma das grandes apostas do PSDB para a Câmara neste ano e recebeu o repasse de R$ 1,5 milhão do fundo eleitoral do partido para sua reeleição.

Leia a íntegra da nota da FPA:

A Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), que reúne 261 deputados federais e senadores, anuncia apoio oficial ao candidato do PSL Jair Messias Bolsonaro, atendendo ao clamor do setor produtivo nacional, de empreendedores individuais aos pequenos agricultores e representantes dos grandes negócios.

Como signatária do apoio irrestrito às ações do Judiciário e do Congresso Nacional durante o processo de impeachment, a FPA reafirma seu compromisso com o desenvolvimento sustentável da nossa agricultura e do Brasil.

Entendemos que a geração de empregos e renda é a melhor forma de garantir estabilidade econômica e social, alcançando toda a população. 

Alavancar nosso desenvolvimento econômico é a grande oportunidade de resgate da dignidade do povo brasileiro, a partir da construção de um Estado que proporcione educação, saúde e segurança pública de qualidade.

As recentes pesquisas eleitorais trazem o retrato da polarização na disputa nacional, o que causa grande preocupação com o futuro do Brasil. 

Portanto, certos de nosso compromisso com os próximos anos de uma governabilidade responsável e transparente, uniremos esforços para evitar que candidatos ligados à esquemas de corrupção e ao aprofundamento da crise econômica brasileira retornem ao comando do nosso País. 

TEREZA CRISTINA

Presidente da FPA

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.