Freixo chama adversário de 'covarde' por 'fugir' da imprensa

Candidato do PSOL à prefeitura do Rio faz provocação após Marcelo Crivella (PRB) não comparecer a sabatina em rádio e a entrevista em TV

Constança Rezende, O Estado de S.Paulo

26 de outubro de 2016 | 18h09

RIO - O candidato à prefeitura do Rio, Marcelo Freixo (PSOL), disse nesta quarta, 26, que "não é covarde" nem foge de debates", referindo-se ao seu adversário Marcelo Crivella (PRB), em sabatina da Rádio CBN, nesta quarta-feira, 26. Crivella faltou à sua sabatina, que estava marcada para a terça-feira, 25, na rádio. Também não compareceu à entrevista da TV Globo no mesmo dia, no RJTV, e já disse que não irá na sabatina do jornal O Globo, marcada para esta quinta-feira, 27. Crivella alega ser vítima de uma campanha por parte das Organizações Globo e da revista Veja.

Freixo disse que "por trás daquela fala mansa (de Crivella), está alguém que promove o ódio o tempo todo". Ele reagiu ao ser questionado sobre se teria alguma relação com o tráfico de drogas, acusação levantada por Crivella, em seu horário eleitoral. "Crivella, além de ser covarde e fugir do debate, é mentiroso. É um cara que não está preparado para governar, que faz calúnia. Por trás daquela fala mansa, tem alguém que promove ódio o tempo todo", disse.

O candidato respondeu que uma foto sua viralizada na rede com ex-traficantes conhecidos do Rio foi feita em um evento promovido pela ONG Afroreggae. "Usar imagens falsas e dar informação falsa não é algo que a cidade precisa", afirmou.

Questionado sobre o número de policiais que fazem a sua segurança, Freixo disse que "não é confortável", "nem um privilégio" precisar da ajuda. "É uma necessidade porque sou ameaçado de morte, não por um problema particular, mas porque enfrentei as milícias, na CPI das Milícias, o crime organizado mais poderoso do Rio", disse.

Segundo o candidato, a sua segurança teria sido reforçada após a divulgação de um vídeo da ex-vereadora Carminha Jerominho, filha e sobrinha dos milicianos Jerônimo Guimarães Filho, o Jerominho, e Natalino Guimarães, em que ela manifesta apoio a Crivella e "desafia" Freixo (PSOL) a andar por Campo Grande, bairro da zona oeste dominado pelo grupo.

"Nesse momento da campanha, eu reforcei a segurança por uma questão concreta, a gravação em vídeo da filha e sobrinha de dois milicianos presos na época da CPI, me ameaçando e dizendo que duvidava que eu fosse na zona oeste. Existem ameaças até hoje e a avaliação é feita pela Secretaria de Segurança. Conversei recentemente com a Draco (Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas) e a avaliação é que eu, lamentavelmente, não posso andar sem segurança ainda", afirmou

Mais conteúdo sobre:
Marcelo CrivellaMarcelo Freixo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.