DANIEL TEIXEIRA/ESTADÃO
DANIEL TEIXEIRA/ESTADÃO

‘França me convidou por ser meio de direita’, diz vice PM

Segundo a coronel Eliane Nikoluk, Doria, candidato do PSDB ao governo, vem de um partido de ‘origem de esquerda’

Pedro Venceslau, Marcelo Godoy e Renato Onofre, O Estado de S.Paulo

17 de outubro de 2018 | 05h00

Apoiadora de Jair Bolsonaro (PSL), a coronel da Polícia Militar Eliane Nikoluk (PR), candidata a vice na chapa de Márcio França (PSB), ganhou espaço na campanha no segundo turno no momento em que o pessebista disputa com João Doria os eleitores do capitão reformado, que venceu em São Paulo no primeiro turno. 

Ao Estado, Eliane disse que, antes de aceitar o convite de França, ouviu dele a promessa que uma aliança com o PT estaria descartada. “Eu não conhecia o Márcio França e só tinha contato protocolar. Quando vi que ele era do PSB, isso me causou um certo desconforto, porque é um partido de centro-esquerda. Sempre me considerei mais liberal e com tendência à direita.” 

O governador então afirmou que “não haveria hipótese” de uma aliança com os petistas. “Ele disse que me convidou por ser meio de direita”, afirmou a coronel, que foi comandante e oficial do Estado Maior do Comando de Policiamento do Interior e é policial militar há 30 anos. 

Em uma estratégia para evitar que França “surfe na onda” conservadora paulista, Doria tem usado os comerciais de rádio e TV para classificar o oponente como aliado do PT e “esquerdista”.

“Doria vem de um partido de origem de esquerda e vem jogar no outro uma pecha de esquerda. Até um mês atrás ele atacava o Bolsonaro. Chamava ele de radical. Há uma incoerência”, disse a coronel, que se define como uma pessoa “muito patriota”.

Segundo Eliane, Doria sofre resistência na Polícia Militar porque os governos do PSDB não investiram em viaturas, equipamentos e contingenciaram recursos. 

A candidata a vice na chapa de Márcio França criticou ainda a estratégia do tucano de usar na TV um vídeo no qual Jair Bolsonaro agradece o apoio de Doria e critica Márcio França. 

“Bolsonaro também disse que PT e PSDB são farinha do mesmo saco. Não sei o que ele pensa. Nunca vi Márcio França falando mal do Bolsonaro. Eu pesquisei. Ele no PSB é visto como uma pessoa de direita.”

A coronel também afirmou que, apesar das críticas que faz ao PT, não defende a exclusão automática de petistas em um eventual segundo mandato de França no Estado. 

Tiro. Eliane ainda criticou a declaração em que Doria afirma que, a partir de 1.º de janeiro, a polícia vai atirar para matar se bandidos reagirem.

Segundo a coronel, essa declaração não foi “técnica nem ética” e vai “totalmente contra” a doutrina da Polícia Militar. Ela também minimizou as declarações polêmicas de Bolsonaro sobre mulheres. “Não me senti ofendida.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.