DANIEL TEIXEIRA/ESTADÃO
DANIEL TEIXEIRA/ESTADÃO

‘França me convidou por ser meio de direita’, diz vice PM

Segundo a coronel Eliane Nikoluk, Doria, candidato do PSDB ao governo, vem de um partido de ‘origem de esquerda’

Pedro Venceslau, Marcelo Godoy e Renato Onofre, O Estado de S.Paulo

17 de outubro de 2018 | 05h00

Apoiadora de Jair Bolsonaro (PSL), a coronel da Polícia Militar Eliane Nikoluk (PR), candidata a vice na chapa de Márcio França (PSB), ganhou espaço na campanha no segundo turno no momento em que o pessebista disputa com João Doria os eleitores do capitão reformado, que venceu em São Paulo no primeiro turno. 

Ao Estado, Eliane disse que, antes de aceitar o convite de França, ouviu dele a promessa que uma aliança com o PT estaria descartada. “Eu não conhecia o Márcio França e só tinha contato protocolar. Quando vi que ele era do PSB, isso me causou um certo desconforto, porque é um partido de centro-esquerda. Sempre me considerei mais liberal e com tendência à direita.” 

O governador então afirmou que “não haveria hipótese” de uma aliança com os petistas. “Ele disse que me convidou por ser meio de direita”, afirmou a coronel, que foi comandante e oficial do Estado Maior do Comando de Policiamento do Interior e é policial militar há 30 anos. 

Em uma estratégia para evitar que França “surfe na onda” conservadora paulista, Doria tem usado os comerciais de rádio e TV para classificar o oponente como aliado do PT e “esquerdista”.

“Doria vem de um partido de origem de esquerda e vem jogar no outro uma pecha de esquerda. Até um mês atrás ele atacava o Bolsonaro. Chamava ele de radical. Há uma incoerência”, disse a coronel, que se define como uma pessoa “muito patriota”.

Segundo Eliane, Doria sofre resistência na Polícia Militar porque os governos do PSDB não investiram em viaturas, equipamentos e contingenciaram recursos. 

A candidata a vice na chapa de Márcio França criticou ainda a estratégia do tucano de usar na TV um vídeo no qual Jair Bolsonaro agradece o apoio de Doria e critica Márcio França. 

“Bolsonaro também disse que PT e PSDB são farinha do mesmo saco. Não sei o que ele pensa. Nunca vi Márcio França falando mal do Bolsonaro. Eu pesquisei. Ele no PSB é visto como uma pessoa de direita.”

A coronel também afirmou que, apesar das críticas que faz ao PT, não defende a exclusão automática de petistas em um eventual segundo mandato de França no Estado. 

Tiro. Eliane ainda criticou a declaração em que Doria afirma que, a partir de 1.º de janeiro, a polícia vai atirar para matar se bandidos reagirem.

Segundo a coronel, essa declaração não foi “técnica nem ética” e vai “totalmente contra” a doutrina da Polícia Militar. Ela também minimizou as declarações polêmicas de Bolsonaro sobre mulheres. “Não me senti ofendida.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.