Fogaça lidera em Porto Alegre, com Rosário em 2º lugar

Manuela D'Ávila (PC do B) aparece na terceira posição na capital gaúcha, com 15,14% dos votos válidos

Redação,

05 de outubro de 2008 | 19h01

A parcial das 18h53 do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em Porto Alegre mostra o prefeito e candidato à reeleição José Fogaça (PMDB) na liderança, com 221.525 votos (44,88% dos votos válidos). A petista Maria do Rosário aparece em segundo lugar na apuração, com 109.052 votos (22,09%). Manuela D'Ávila (PC do B) tem 74.760 votos (15,14% do total) e Luciana Genro (PSOL) tem 45.781 votos (9,27%). Onyx Lorenzoni (DEM) aparece com 4,76% dos votos válidos, seguido de Nelson Marchezan (PSDB), com 2,80% e Vera Guasso (PSTU), com 0,75%. Carlos Gomes (PHS) está com 0,31%.   Veja também: Galeria de fotos das eleições no Brasil  Cobertura completa das eleições 2008  Eu prometo: Veja as promessas de campanha dos candidatos Vereador digital: Depoimentos e perfis de candidatos em São Paulo Vereadores: Saiba qual o papel de um legislador Onde votar: Ferramenta traz endereço e mapa do local de votação Tire suas dúvidas sobre as eleições    A campanha pela reeleição de Fogaça à Prefeitura de Porto Alegre sugeriu aos seus simpatizantes que não embarcassem na tentação de escolher o adversário do candidato no segundo turno. A idéia seria evitar a repetição de um movimento ocorrido na eleição para o governo do Estado em 2006, quando parte do eleitorado do ex-governador Germano Rigotto (PMDB), convicta de que ele estaria no segundo turno, votou em Yeda Crusius (PSDB) para afastar Olívio Dutra (PT).   A migração nunca foi medida por pesquisas, mas os peemedebistas estão certos de que foi a principal responsável pelo resultado: Rigotto acabou fora e Yeda e Olívio foram ao segundo turno. A estratégia de Fogaça ficou evidente nos programas de TV. O deputado Vieira da Cunha, presidente nacional do PDT e aliado do prefeito, citou o episódio Rigotto para pedir que ninguém vote "contra isso ou contra aquilo, mas em favor da cidade, em Fogaça".   (com Elder Ogliari, de O Estado de S. Paulo)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.