Fiscais do TRE-RJ apreendem propaganda irregular de Garotinho

Haviam placas em quantidade maior que o declarado e faixas em tamanho maior que o permitido

Fábio Grellet, O Estado de S. Paulo

22 de agosto de 2014 | 20h31

Fiscais do Tribunal Regional Eleitoral do Rio (TRE-RJ) lacraram, nesta sexta-feira (22), um galpão em São Cristóvão, na zona norte, onde havia propaganda irregular do deputado federal e candidato a governador Anthony Garotinho (PR) e de outros candidatos do partido.

Determinada pela juíza Daniela Assumpção de Souza, coordenadora estadual de fiscalização, a operação apreendeu placas em quantidade maior do que a declarada, faixas em tamanho maior do que os 4m² permitidos, seis computadores e documentos contábeis. Localizado na rua Bela, o galpão é usado para armazenar produtos da loja virtual "Palavra de Paz" e, segundo o responsável, foi cedido para guardar e distribuir material de campanha de Garotinho.

O relatório dos fiscais será encaminhado ao Ministério Público Eleitoral para que ajuize as ações cabíveis.

Havia pelo menos 400 placas de Garotinho ao lado do candidato a deputado estadual Fabiano Novaes (PR), mas a tiragem declarada era de 150 unidades. Também foram encontradas dezenas de caixas (cada uma com 2.800 unidades) de panfletos da filha de Garotinho e candidata a deputada federal Clarissa Garotinho (PR). A tiragem declarada era muito menor, de 25 mil exemplares.

Havia também agendas, livros infantis, chinelos e outros produtos com o logotipo da loja "Palavra de Paz", empresa com participação societária de Garotinho - como consta em sua declaração de bens - e três carros de som com propaganda dele.

Em nota, a assessoria de Garotinho negou as irregularidades e afirmou que já adotou "as medidas judiciais cabíveis, com vistas a reverter o ato abusivo". "Não há nenhuma irregularidade no material de propaganda eleitoral. A campanha do candidato Anthony Garotinho observa rigorosamente as regras do processo eleitoral, todo material de propaganda é contabilizado e consta de sua prestação contas", diz a nota.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.