FHC: 'Futuro da sigla é mais incerto do que do euro'

"É mais fácil falar o futuro do euro do que o do PSDB!" Com essas palavras, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso referiu-se, durante uma breve visita à capital argentina. ontem, ao cenário que desponta para o partido dos tucanos. "A política é imprevisível", frisou o ex-presidente.

O Estado de S.Paulo

30 de novembro de 2011 | 03h06

No entanto, ele destacou a importância das prévias que a sigla fará para definir qual será o candidato à Prefeitura de São Paulo. "Começa a existir um interesse em função da prévia. Isso é importante", sustentou, para depois ressaltar que "ainda falta muito tempo para as eleições".

Fernando Henrique preferiu não emitir preferências sobre os atuais pré-candidatos tucanos: "Se eu tivesse um preferido, não poderia dizê-lo". O ex-presidente afirmou ainda que quem deve definir essa questão são os delegados do partido: "E eu não sou delegado", resumiu.

FHC disse também que as acusações existentes sobre irregularidades na atual gestão do prefeito Gilberto Kassab (PSD) devem ser analisadas pela Justiça: "Ora, como dizem o presidente Lula e a presidente Dilma, temos que ver. Deixa a Justiça julgar". / ARIEL PALACIOS, DE BUENOS AIRES

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.