FHC critica Dilma por não ‘saber nada’ da Petrobrás

Nos EUA, ele pede explicações ‘mais consistentes’ sobre denúncias e diz que se ela ‘não viu nada’ irregular, então não é ‘uma gerente competente’

Altamiro Silva Jr. , CORRESPONDENTE / NOVA YORK

09 de setembro de 2014 | 21h22

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso criticou nesta terça-feira, 9, em Nova York, a presidente Dilma Rousseff e cobrou explicações sobre o novo escândalo envolvendo a Petrobrás. “Se ela não viu nada”, afirmou, “então não é uma gerente competente”. 

Em conversa com jornalistas, FHC disse ainda que a estatal “caiu nas mãos da política partidária” e que a corrupção no PT é “quase uma regra”. O ex-presidente definiu como “inaceitável” a corrupção na Petrobrás e cobrou que as investigações sejam levadas “mais a fundo” porque se trata de “um escândalo de grandes proporções”. 

A CPI da petroleira no Congresso, segundo ele, está muito politizada. “Eu sempre quis que a Petrobrás fosse uma empresa e não uma repartição pública”, afirmou, justificando porque quebrou o monopólio no setor. “A Petrobrás é a empresa mais importante do Brasil e está se vendo que houve uma ocupação política.”

Sobre Dilma, FHC disse acreditar que ela “não viu nada” sobre as denúncias, conforme ela declarou em sabatina ao Estado na segunda-feira. Mas se isso ocorreu, “então, ela não é uma gerente competente”. E acrescentou: “Acho que ela precisa dar explicações mais consistentes. Não é um caso, são muitos, não é uma prática, é uma constante, não é um desvio, é quase que uma regra”.

Drogas. FHC veio a Nova York para uma reunião, no Museu de Arte Moderna (Moma), da Comissão Global sobre Política de Drogas, por ele presidida e que tem entre seus integrantes 21 ex-presidentes, além do ex-secretário-geral das Nações Unidas, Kofi Annan, o escritor peruano Mario Vargas Llosa e o ex-presidente do Federal Reserve (o banco central dos EUA), Paul Volcker. 

No encontro, o grupo apresentou um relatório com sete propostas, entre elas a regulação do mercado para algumas drogas, como a maconha, e mudar a forma como se lida com dependentes de drogas. FHC defendeu que os usuários não sejam tratados como criminosos, mas que tenham acesso aos sistemas de saúde. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.