'Faxinado' retoma cargos no Trabalho

Depois de indicar ministro, Lupi é consultado para volta de seu ex-número 2 na pasta; atual titular diz que 'nada foi provado' contra ele

FÁBIO FABRINI / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

21 de março de 2013 | 02h13

O novo ministro do Trabalho, Manoel Dias (PDT), vai reconduzir ao cargo o ex-secretário executivo da gestão Carlos Lupi, Paulo Roberto dos Santos Pinto, e não descarta a nomeação de outros quadros ligados ao ex-ministro, que deixou a pasta no fim de 2011, por suspeita de corrupção.

Já resolvida, a indicação ao posto, segundo na hierarquia da pasta, seguiria ontem para a Casa Civil, que tem de dar aval à escolha. Ligado a Lupi, Dias tomou a decisão após consultar o ex-ministro e presidente do PDT, que recupera sua influência na Esplanada e se cacifa em negociações políticas com o Planalto. Em 2014, ele pretende se candidatar ao Senado pelo Rio.

"A única coisa que ele (Dias) me solicitou, que me perguntou, foi sobre o Paulo Pinto. Dei a minha opinião. Ele ouviu e disse que gostaria de tê-lo na sua equipe", afirmou Lupi, que vem mantendo conversas com o novo ministro sobre a formação da equipe no Trabalho.

Filiado ao PDT do Rio e integrante do Diretório Nacional do partido, Paulo Roberto é funcionário de carreira do Banco do Brasil. Levado à Esplanada por Lupi, destacou-se por sua fidelidade ao ex-ministro. Ele assumiu a pasta interinamente após a queda do padrinho político, até a nomeação do deputado Brizola Neto (PDT-RJ) para o cargo.

Apesar de braço direito de Lupi, Paulo Roberto não foi abatido pelas denúncias. Em sua gestão, ONGs suspeitas de irregularidades continuaram recebendo recursos do governo.

'Experiência'. Dias afirmou que, por ora, só o secretário executivo está definido. A escolha, segundo ele, se deve à "experiência" neste cargo e no de ministro interino. As nomeações para outros postos de primeiro escalão devem ser definidas até a semana que vem, após rodada de conversas com integrantes de seu partido e das centrais sindicais. "Nem sempre é possível fazer o que eu quero."

O ministro disse não se constranger em reconduzir quadros ligados ao ex-ministro. "Nenhuma dessas referências que se fez ao Lupi foram constatadas. Os órgãos de fiscalização e controle nada apresentaram", alegou. "Não entendo por que o constrangimento. Tenho de respeitar os meus companheiros, até prova em contrário."

O ministro disse que a presidente Dilma Rousseff não o mandou vetar nomes ligados a Lupi. Mas pondera que, se algum nome a desagradar, cabe a ela a palavra final. "A presidente pode, em qualquer momento, decidir."

Dias afirmou que a recondução da ex-secretária de Relações do Trabalho, Zilmara Alencar, ligada a Lupi, "não foi discutida", nem a exoneração de Manoel Messias, ligado ao PT e à Central Única dos Trabalhadores (CUT).

A bancada do PDT na Câmara e a Força Sindical pressionam pela troca do secretário por um quadro "neutro". "Ter um ministro do PDT e, ao mesmo tempo, uma secretaria importante com o PT é inócuo", reclama um pedetista. O partido não fará, contudo, objeções à permanência de Paul Singer na Secretaria de Economia Solidária. Ele também tem ligações com o PT.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.