Favre quer direito de resposta para Marta

O franco-argentino Luis Favre, marido da candidata do PT à Prefeitura de São Paulo, Marta Suplicy, comentou com um petista sentado ao seu lado na platéia, na primeira fila, no debate da noite de hoje na Rede Bandeirantes, que quer direito de resposta às críticas feitas pelo candidato do PP, Paulo Maluf, no primeiro bloco. Ao responder sobre as soluções que propunha para o trânsito, Maluf atacou Marta, dizendo que só ele poderia vencê-la e lembrando que ela perdeu as eleições de 2004 para a Prefeitura e tem um alto índice de rejeição entre os paulistanos.Durante o programa, Favre e Marta trocaram olhares e sorrisos. A candidata aparentava estar confiante. Outro casal que também mostrou sintonia foi o candidato do PSDB, Geraldo Alckmin, e a ex-primeira-dama do Estado Lu Alckmin. Sentada na quinta fileira da platéia, ao lado da filha Sofia, Lu, que tinha um semblante sério até então, abriu um sorriso quando o marido começou a falar e fez um movimento de concordância com a cabeça.Marta e Alckmin se mostraram incomodados com os comentários do candidato do PTC, Ciro Moura, sobre o metrô da capital paulista. Moura criticou o projeto de Marta por ela prometer parceria com o governo federal, mas não ter nenhum empenho no orçamento para esse fim. Marta coçou a cabeça, nervosa, e anotou o que disse o adversário. Ciro prosseguiu, criticando a lentidão na construção do Rodoanel Mário Covas. Alckmin olhou para o adversário, e franziu os lábios. O senador Eduardo Suplicy (PT-SP), ex-marido de Marta, está sentado na segunda fila, próximo de Favre. Alckmin foi o único candidato que não foi assessorado pelo publicitário de campanha no intervalo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.