‘Faria o mesmo’, diz José Serra sobre divulgação de prontuário

Candidato defende que não houve violação de sigilo médico quando Prefeitura divulgou dados de paciente

Daiene Cardoso, da Agência Estado

31 de agosto de 2012 | 23h21

O tucano José Serra chamou de "mentiroso" o episódio envolvendo o caminhoneiro José Machado, que protagonizou um quadro do programa do PT no qual dizia que estava esperando por uma cirurgia de catarata por dois anos. Para o candidato, não houve violação do sigilo médico do paciente e a Prefeitura agiu corretamente ao divulgar dados do prontuário médico do caminhoneiro. "Foi corretíssimo. Eu teria feito a mesma coisa."

No início da semana, o Estado procurou a Prefeitura a fim de que comentasse a propaganda de Haddad. A Secretaria da Saúde já dispunha de um amplo levantamento sobre o prontuário médico de Machado.

Divulgou oficialmente datas de exames e procedimentos pelos quais o caminhoneiro passou desde 2007 e desmentiu a informação dos petistas segundo a qual ele sofria de catarata. Na verdade, afirmou a pasta, seu problema era pterígio, crescimento de tecido sobre a córnea. A divulgação dos dados sem a autorização do paciente é investigada pelo Conselho Regional de Medicina. O PT pediu também apurações por parte do Ministério Público.

Na avaliação do candidato, a Prefeitura cumpriu "um serviço de utilidade pública" ao buscar informações verdadeiras sobre o diagnóstico do caminhoneiro e ressaltou que "não houve violação nenhuma" do prontuário.

"Vocês (do jornal) pisaram no tomate, francamente. O PT saiu falando ‘pega ladrão, pega ladrão’ e vocês cairam nessa. Esse cidadão não tinha catarata", disse o tucano, que não viu problemas em tornar público o prontuário do paciente. "Não é uma doença tipo aids, câncer. Se alguém tem que pagar na lei, é o PT", disse.

"Quem quebrou o prontuário médico foi o PT, que foi para televisão e disse que ele tinha tal doença", insistiu o candidato.

Ainda segundo o tucano, o programa de Haddad agiu de forma desonesta ao apresentar "uma mentira escancarada" e "vergonhosa". "O sujeito não tinha catarata, o programa do PT ficou um tempão dizendo que ele tinha, e acusando a Prefeitura. A Prefeitura foi lá e disse: mas ele não tem catarata. Pôr a culpa na Prefeitura é uma demasia."

Na quinta-feira, dois dias após a abertura do prontuário de Machado, ele teve antecipada a consulta com o oftalmologista, que estava marcada para 26 de dezembro. Após se submeter a exames, a mulher de Machado, Natalice Aleixo Santos, disse que os médicos detectaram pterígio e catarata. O candidato também achou "normal" a Prefeitura solicitar a antecipação do atendimento após a exposição na TV.

De acordo com Serra, o responsável pela dificuldade no atendimento é o Ministério da Saúde, que não cobre a biometria ultrassônica, exame realizado ontem pelo paciente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.