Família se diz emocionada e pede punição

Cléia Oliveira, irmã da deputada Ceci Cunha, advogada e assistente da promotoria (representada, no julgamento, pelo advogado José Fragoso), avalia que os 13 anos e um mês de espera pelo julgamento dos acusados da chamada Chacina da Gruta "foi exaustiva, mas necessária" e crê na condenação dos acusados.

MACEIÓ, O Estado de S.Paulo

17 de janeiro de 2012 | 03h01

"A demora foi necessária para que não restassem dúvidas (sobre o processo), para que todos os argumentos fossem levantados e debatidos", afirma. "Tenho a expectativa de que seja feita justiça, sem privilégios. Apenas a justiça." Segundo Cléia, a família está emocionada. Na entrada da sede da Justiça Federal em Alagoas, onde o julgamento está sendo realizado, familiares e amigos das vítimas distribuíam margaridas brancas a quem chegava para acompanhar a sessão. Ceci segurava uma flor semelhante quando foi morta, junto com três familiares.

"Ceci era minha irmã mais velha e minha madrinha, então, este é um momento muito especial para mim", diz Cléia. "Sou operadora do Direito, sempre acreditei na Justiça."

Filho de Ceci, o advogado e superintendente do Procon em Alagoas Rodrigo Cunha disse estar "confiante, mas muito emocionado" com o julgamento. "É muito difícil olhar para quem matou minha mãe", disse, logo ao chegar ao auditório.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.