Família Gomes emplaca seu apadrinhado

Vitória de Roberto Cláudio fortalece Ciro e Cid, que se irritaram com presença de ex-presidente Lula no palanque do candidato petista

EUGÊNIA LOPES, O Estado de S.Paulo

29 de outubro de 2012 | 03h03

Numa derrota para o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o deputado estadual Roberto Cláudio, do PSB, foi eleito ontem prefeito de Fortaleza com 53,02% dos votos. É a primeira vez em 24 anos que o prefeito e o governador serão do mesmo partido, a partir de janeiro de 2013.

A eleição do candidato do PSB representa uma vitória do clã dos Ferreira Gomes, que em junho rompeu com o PT e lançou Roberto Cláudio na disputa contra o petista Elmano de Freitas. Significa ainda uma derrota de Lula, que cedeu aos apelos da prefeita Luizianne Lins (PT) e foi a Fortaleza fazer campanha para Elmano.

O envolvimento do ex-presidente em Fortaleza azedou de vez as relações do ex-ministro Ciro Gomes com Lula. Sem esconder a mágoa com o antigo chefe, Ciro afirmou ontem que o ex-presidente foi "muito incorreto" com ele na eleição de Fortaleza. "A forma como ele fez tudo, o descuido, foi incorreção comigo." Apesar da decepção com Lula, o governador do Ceará, Cid Gomes, garantiu que o PSB vai manter a aliança nacional com o PT. Além de Fortaleza, os dois partidos se dividiram nas eleições de Belo Horizonte, Campinas e Recife. Cid defendeu que o PSB mantenha o apoio à reeleição da presidente Dilma Rousseff, em 2014, mesmo depois do crescimento do partido e do fortalecimento do governador de Pernambuco e presidente da sigla, Eduardo Campos.

"Nacionalmente não enxergo nenhum problema. Se a presidente Dilma, que está fazendo um grande governo, reconhecido pela população, for candidata à reeleição, nós estaremos com ela", afirmou. Ao contrário de Lula, Dilma não foi pedir votos para o candidato petista.

Com a vitória do médico sanitarista Roberto Cláudio, o grupo de Cid Gomes saiu fortalecido para eleger seu sucessor no governo do Ceará. Um dos postulantes é o senador Eunício Oliveira, do PMDB, que indicou o vice da chapa do socialista. Já a prefeita Luizianne Lins ficou enfraquecida com a derrota de seu afilhado político. Ela tem pretensões de disputar o governo do Estado daqui a dois anos.

A eleição ontem de Roberto Cláudio põe fim ainda a uma aliança de quase oito anos entre Cid e Luizianne. A expectativa é que quatro secretários do PT deixem o governo do Estado. "É uma situação desconfortável", admitiu ontem a prefeita. Cid tentou, no entanto, contemporizar e afirmou que "não é inviável" a manutenção da aliança com o PT no Estado. "Desejo preservar a aliança com o PT", disse o governador, ao argumentar que fez críticas à prefeita quando estava licenciado do cargo. Assim como seu mentor político, Roberto Cláudio, também minimizou a divisão regional entre PT e PSB. "Essa candidatura nossa surge de uma circunstância local. Continuamos aliados do PT em nível nacional, em nível estadual", disse.

A eleição em Fortaleza foi uma das mais acirradas do País, além de ser marcada pela troca de acusações entre o governador e a prefeita.

Caciques. "O PT não é um partido de caciques nem de oligarquias", afirmou Luizianne. Ao partir para o ataque, a petista afirmou que os Ferreira Gomes traem seus antigos aliados, como ocorreu no caso do ex-senador Tasso Jereissati (PSDB) e do ex-governador Lúcio Alcântara (PR). "Vamos agora esperar para ver qual vai ser a próxima traição", disse. Cid Gomes não poupou críticas à prefeita. Na reta final da campanha, ele se licenciou do governo e partiu para o bate-boca com Luizianne, a quem chamou de incompetente e preguiçosa. Ao votar ontem pela manhã, Elmano e Luizianne tiveram de enfrentar uma barreira de militantes da candidatura de Roberto Cláudio, que gritavam "mensalão", "mensaleiros" e "cuecão".

FORTALEZA

Tudo o que sabemos sobre:
eleições 2012

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.