'Faltou bom humor para a Marta no debate', diz Kassab no rádio

Prefeito afirma que petista estava 'tensa' e só soube 'reclamar' no programa da TV Bandeirantes na última quinta

Bianca Pinto Lima, do estadao.com.br,

12 de setembro de 2008 | 14h52

O prefeito de São Paulo e candidato à reeleição, Gilberto Kassab (DEM), afirmou em seu programa eleitoral do rádio na tarde desta sexta-feira que faltou bom humor para a adversária petista, Marta Suplicy, no debate da TV Bandeirantes. "Ela estava um pouco tensa. O Kassab, em compensação, mandou bem. Mostrou o que tem feito e falou do que vai fazer", disse o locutor. O candidato do DEM definiu como sendo o debate da realização contra a reclamação. "O Kassab mostrou, ela reclamou", disse o apresentador referindo-se à ex-ministra.  Veja também:Com novo marqueteiro, Alckmin ataca Kassab: 'Fez pouco'Aprovação recorde de Lula beneficia campanha, diz MartaDebate foi morno, Kassab melhorou e Marta atacou, diz cientistaEspecial: Perfil dos candidatosBlog: veja os destaques do debate da TV Bandeirantes Vereador digital: Conheça os candidatos à Câmara de SP Tire suas dúvidas sobre as eleições de outubro A líder nas pesquisas de intenção de voto, Marta Suplicy, manteve as mesmas propostas do horário eleitoral da manhã e destacou ações para a área da segurança. Já Geraldo Alckmin (PSDB) mudou levemente o tom da campanha. O foco nas propostas e a distância das críticas aos adversários foram mantidas, mas a experiência do candidato como governador ganhou destaque. Paulo Maluf, do PP, também destacou sua participação no debate da TV Bandeirantes e voltou a ressaltar as obras que construiu na cidade. Soninha Francine, do PPS, afirmou que é usuária do SUS e prometeu, se eleita, promover a saúde garantindo condições ambientais melhores. Levy Fidelix, do PRTB, insistiu na construção do Aerotrem. Ivan Valente, da coligação "Alternativa de Esquerda para São Paulo" (PSOL-PSTU), criticou Kassab e disse que a população sabe que a saúde vai mal. Edmilson Costa, do PCB, disse que seu partido é solidário com a luta do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST). Renato Reichmann, do PMN, propôs que a Guarda Civil Metropolitana atue dentro das escolas. Ciro Moura, da coligação "Tostão contra o Milhão" (PTC-PTdoB), prometeu novo plano de carreira aos funcionários públicos. E Anaí Caproni, do PCO, propôs o fim do monopólio do transporte pelas grandes empresas e a estatização do setor.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.