Ex-presidente já desconfiava de que pudesse ter câncer

Na viagem que fez a convite da presidente Dilma Rousseff a Manaus, no dia 24, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva confidenciou a ela que sentia dores na garganta e que não queria fazer exames por temer tratar-se de um câncer. O irmão mais velho, Jaime, sofreu da mesma doença.

O Estado de S.Paulo

02 de novembro de 2011 | 03h03

"Não quero fazer exame porque desconfio que seja câncer", disse Lula a Dilma. Anteontem, no Hospital Sírio-Libanês, Lula relembrou a conversa durante a visita de Dilma e dos ministros Gilberto Carvalho (Secretaria-Geral da Presidência) e Guido Mantega (Fazenda) e comentou sua resistência a fazer consultas médicas e exames para evitar surpresas desagradáveis. "Ele é muito medroso", disse Carvalho.

Segundo o ministro, a mulher de Lula, Marisa Letícia, já se prepara para reorganizar o apartamento em São Bernardo do Campo, para que lá se realizem reuniões políticas. No hospital, Lula estava "com muita disposição" e falou sobre a reunião do G-20, da qual Dilma participa, e da emoção ao ver a faixa #ForçaLula exibida pelo time do Corinthians, no domingo. / TÂNIA MONTEIRO

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.