Ex-guerrilheiro, Gabeira se encontra com militares

O ex-guerrilheiro e candidato a prefeito do Rio Fernando Gabeira (PV) se encontrou hoje com a diretoria do Clube Militar para, segundo disse, fazer uma "exposição sobre a cidade". A conversa, de cerca de meia hora, foi encerrada por entrevistas marcadas por sorrisos, elogios mútuos e até um "muito obrigado pela hospitalidade" dirigido pelo candidato ao presidente da entidade, general (da reserva) Gilberto Figueiredo. Recentemente, o Clube foi palco de manifestações de militares contra tentativas de reabrir investigações sobre torturadores que agiram na repressão política, nos anos 60 e 70. "Em primeiro lugar, foi uma lembrança das nossas relações positivas, que temos tido como deputado com o Exército e a Aeronáutica", disse o parlamentar que, em 1969, participou, como integrante da Dissidência da Guanabara (depois, Movimento Revolucionário 8 de Outubro - MR-8) do seqüestro do embaixador americano, Charles Burke Elbrick. "Alguns brigadeiros também vieram, são companheiros de trabalho nosso lá em Brasília. E também uma exposição que fizemos sobre, em primeiro lugar um agradecimento pelo que o Exército tem feito em relação ao nosso desenvolvimento." Segundo Gabeira, no encontro (que teve oficiais da reserva do Exército e da Aeronáutica), foi mencionado o fato de ele e os militares terem estado em lados opostos no período da Guerra Fria. "Fomos muito influenciados pelo período da Guerra Fria, mas que hoje estamos juntos", afirmou.Gabeira disse que o encontro foi uma "visita de cortesia, que tem caráter mais simbólico de aproximação" e afirmou que a Guerra Fria "ficou lá no século passado, embora algumas pessoas ainda tentem revolver esse processo". "Acho que o Exército Brasileiro hoje é muito diferente", declarou. MilitaresO presidente do Clube, general Gilberto Figueiredo, afirmou que o encontro foi pedido pela assessoria do candidato e não teve caráter de apoio. Ele afirmou que pretendia informar ao candidato do PMDB, Eduardo Paes, que também seria recebido, se o desejasse, na entidade. Também afirmou que muitos militares têm dito que não votarão em Gabeira de jeito nenhum, por causa de seu passado de conflito com as Forças Armadas, mas outras têm declarado voto no candidato do Partido Verde."É um encontro meio inusitado, um antigo guerrilheiro sendo recebido aqui no Clube Militar", afirmou Figueiredo, que em 1970, quando Gabeira combatia a ditadura pelas armas, servia como capitão em Campo Grande (hoje MS). "Se ele teve ponto de afastamento, hoje tem um ponto de aproximação, que é sua posição de combate à imoralidade pública. Agrada muito aos militares."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.