Ex-governador 'não tinha poder' para ordenar, diz defesa

O advogado Cláudio Fruet, que defende na ação o ex-governador José Roberto Arruda, já adiantou ao Estado que vai recorrer da sentença ao Tribunal Regional Federal da 1ª Região.

O Estado de S.Paulo

20 de agosto de 2012 | 03h07

Fruet insistirá na tese de que, enquanto era senador, seu cliente não tinha poderes nem ascendência hierárquica ou funcional para determinar que alguém violasse o painel. "Respeitamos a decisão do juiz, mas entendemos de forma diferente", afirmou.

O advogado considera que o tempo de tramitação da ação de improbidade contra Arruda foi "exagerado", tendo em vista que, na esfera criminal, o caso foi julgado em um ano e meio. Em 2003, o Supremo Tribunal Federal (STF) rejeitou a denúncia oferecida contra o governador, contra ACM e Regina Célia. / R. B.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.