Ex-governador de Sergipe é preso sob acusação de boca-de-urna

João Alves caminhada pela cidade com candidato do DEM, Mendonça Prado, quando foi detido por policiais

Cida Fontes, da Agência Estado,

05 de outubro de 2008 | 15h56

No momento em que o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Carlos Ayres Britto, afirmava em entrevista que as eleições municipais ocorriam em clima de tranqüilidade, o ex-governador de Sergipe João Alves (DEM) era detido por policiais militares em Aracaju, sob acusação de fazer boca-de-urna, o que é proibido pela legislação eleitoral.   Veja também: Confira as imagens da votação pelo Brasil Cobertura completa das eleições 2008 Eu prometo: Veja as promessas de campanha dos candidatos  Presidente do TSE prevê divulgação de resultados antes das 22h   Segundo um assessor do ex-governador, quando fazia uma caminhada pela cidade ao lado do candidato do DEM à prefeitura da capital sergipana, Mendonça Prado, Alves foi cumprimentado por populares. Nesse momento, quatro carros da PM pararam no local e um major deu ordem de prisão.   O candidato do DEM também foi detido, mas liberado logo depois. O mesmo assessor contou que os policiais apreenderam documentos dos jornalistas e teriam ignorado a presença do governador Marcelo Deda que passava em carreata no mesmo local. O governador petista acompanhava o prefeito Edvaldo Nogueira, do PC do B, candidato à reeleição com apoio de Deda.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.