Estratégia do PSDB será colar imagem de Alckmin em Serra

Mesmo ausente fisicamente, o governador vai marcar presença nos programas do horário eleitoral gratuito na TV

Carolina Freitas, da Agência Estado

22 de agosto de 2008 | 17h08

Mesmo ausente fisicamente, o governador de São Paulo, José Serra (PSDB), vai marcar presença nos programas do horário eleitoral gratuito na TV do candidato do partido à Prefeitura da Capital, Geraldo Alckmin. A parceria entre os dois será uma constante estratégica na TV e a tentativa de colar a imagem do candidato à do governador persistirá. A informação foi confirmada à Agência Estado por uma fonte ligada à coordenação da campanha do tucano.   Veja também:Você vai acompanhar o horário eleitoral para definir seu candidato ?  Veja a íntegra da última pesquisa  Multimídia: Perfil dos candidatos  Guia tira dúvidas do eleitor   Prova disso é que, na seqüencia do depoimento de Serra a favor de Alckmin, apresentado no primeiro dia de campanha na TV (20), o programa desta noite deve trazer um discurso em que o candidato exalta a parceria com o governador. "Fazemos uma parceria como Coutinho e Pelé", afirmou o santista Alckmin, induzindo que há, entre ele e Serra, que é palmeirense, a mesma sintonia da dupla de atacantes do vitorioso Santos dos anos 60. Depois da apresentação, questionado sobre qual dos jogadores ele representaria, Alckmin tergiversou: "A modéstia não me permite falar." As cenas que devem ir ao ar na noite desta sexta-feira foram gravadas no início da tarde durante o lançamento do plano de governo do candidato, no Club Homs, na região central da Capital. O tucano aparecerá em uma arena montada no salão do clube, diante de uma platéia de cerca de 200 correligionários e com um círculo azul e amarelo com o número da legenda no centro (45), colado no chão. Na apresentação do plano, Alckmin foi aplaudido com vigor ao citar realizações feitas em parceria com Serra, quando o candidato era governador e Serra, prefeito da Capital. "Coitado do Serra. Pegou a cidade financeiramente quebrada e com as obras paradas", afirmou Alckmin. "Demos recursos para o Complexo Viário Jacu Pêssego, concluímos dois hospitais e fizemos 23 unidades de Atendimento Médico de Emergência (AMAs)." Alckmin reiterou que, agora, pretende inverter a ordem e manter o trabalho conjunto. Alckmin também procurou mostrar identificação com o principal cabo eleitoral da adversária do PT, Marta Suplicy, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Disse que pretende trabalhar em "parceria" com o petista. "Lula não é presidente do PT. É presidente do Brasil", disse. Em entrevista, reafirmou a intenção de união. "Na eleição cada um defende o seu partido, mas não há razão para ter 3º ou 4º turno."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.