Cida Borghetti/ Divulgação
Cida Borghetti/ Divulgação

'Estou confiante para chegar ao 2º turno', diz governadora do Paraná

Candidata à reeleição, Cida Borghetti foi votar acompanhada de sua mãe

Julio Cesar Lima, especial para o Estado

07 Outubro 2018 | 16h36

CURITIBA - A governadora do Paraná, Ci​da Borghetti (PP), candidata à reeleição, acompanhou sua mãe, Ires Anna, na tarde de domingo, 7, na Escola Vicentina Nossa Senhora das Mercês, em Curitiba (PR). Ela estava acompanhada do marido e deputado federal Ricardo Barros, ex-ministro da Saúde, além do prefeito de Curitiba, Rafael Greca. Cida votou pela manhã, em Maringá (PR), no Colégio Regina Mundi.

Otimista, a governadora disse ter confiança para chegar ao segundo turno. “Estou muito confiante para chegar ao segundo turno, tenho recebido manifestação de carinho, apoio, respeito, visitamos todas as regiões do estado e eu só tenho a agradecer pelo dia de hoje, representar o Paraná”, comentou. A governadora está na segunda posição, segundo a mais recente pesquisa do Ibope, com 18% e o líder, Ratinho Júnior aparece na liderança com 57%.

Juntamente com a mãe, relembrou da infância na escola.  “A primeira infância passamos aqui, pré, jardim, quero muito agradecer a Deus pela convivência aqui”, recordou.

Em sua votação pela manhã, a governadora disse que seu governo terá foco na geração de oportunidades. “Quero levar uma proposta, planejamento do estado a curto, médio e longo prazo, pensar as questões regionais para gerar renda, foco na criança e primeira infância, se nós não estabelecermos critérios e não preparar a base para que nossas crianças possam chegar na adolescência e no futuro com possibilidades, e a prevenção na área da saúde”, disse.

O prefeito Rafael Greca (PMN) acompanhou a governadora e lamentou o momento vivido pelo País durante a campanha. “Eu cresci sem democracia, depois entramos na democracia e eu fui vereador na primeira eleição democrática, temos grande esperança de ver o Brasil não ser vilipendiado, o Brasil não é Brasília, o Brasil é mais forte que Brasília, Brasil somos nós, brasileiros que queremos ver a saúde funcionando, a educação florescendo, as famílias respeitadas e a nação não sendo amarrada numa carroça ideológica e ser arrastada como se fosse um espólio político, a nação não está nem à esquerda ou à direita, está no coração, dentro da gente”, discursou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.