Divulgação/Maurício Rands
Divulgação/Maurício Rands

'Estou abrindo mão de um sonho', diz Rands em discurso como candidato a governador de PE

Advogado entregará o cargo de secretário da OEA ainda esta semana para se dedicar a sua campanha nas eleições 2018

Kleber Nunes, O Estado de S.Paulo

05 de agosto de 2018 | 22h54

RECIFE – No primeiro discurso como candidato ao governo de Pernambuco, o secretário de Acessos a Direitos da Organização dos Estados Americanos (OEA), Maurício Rands (PROS), disse que estava “abrindo mão de um sonho para integrar a luta por um Estado melhor”. Em coletiva de imprensa concedida neste domingo, 5, em um empresarial na zona sul do Recife, Rands apresentou a chapa “O Pernambuco que você quer”, ao lado da ex-vereadora Isabella de Roldão (PDT) como vice, e o deputado federal Silvio Costa (Avante) na disputa pelo Senado nas eleições 2018.

A segunda vaga de candidato a senador está reservada para a indicação de outro partido que queira integrar o bloco. Mais cedo, a coligação havia anunciado que o espaço seria ocupado pelo vereador do Recife Jayme Asfora (PROS), contudo, segundo o deputado federal e presidente do PROS em Pernambuco, João Fernando Coutinho, o parlamentar preferiu abidicar da vaga para ajudar o grupo a atrair mais legendas. Coutinho não revelou quais os partidos poderiam ingressar na coalizão, apenas que espera que o nome seja divulgado em 24 horas.

Antes de oficializar o grupo, Coutinho vinha mantendo conversas com a Rede, que tem como candidato ao governo o ex-prefeito de Petrolina, Júlio Lóssio.

“Sempre quis ser diplomata e o cargo de secretário da OEA é como se fosse um, pois represento o Brasil em um órgão internacional. Estou deixando uma zona de conforto com um excelente salário para compor este palanque que é a alternativa para as duas grandes rejeições que estão aí. O pernambucano agora tem opção”, afirmou Rands, que viaja ainda esta semana para entregar o cargo que vinha ocupando a cerca de um ano na OEA.

O candidato que já foi filiado ao PT e ao PSB disse que sua candidatura não se deve apenas à retirada da candidatura de Marília Arraes (PT), que por decisão da cúpula petista não pode concorrer ao governo de Pernambuco e vai disputar uma cadeira na Câmara Federal. “Eu também passei por isso no partido em 2012, quando comecei a construir uma pré-candidatura tentando reconectar a política com as pessoas, isso incomoda as grandes estruturas. Somos pessoas comuns dispostas a apresentar uma política diferente”, declarou.

Rands aproveitou para adiantar que seu programa de governo será construído em três grandes eixos: desenvolvimento estratégico, inclusão social e reconstrução política. “É preciso conectar os setores tradicionais da nossa economia com as inovações tecnológicas, promover políticas de acesso aos direitos a todos os desfavorecidos e levar a boa política para as pessoas, nosso outro lema vai ser, nenhum pernambucano deixado pra trás”, explicou.

A ex-vereadora do Recife Isabella de Roldão que vai ocupar a vice que teve o nome do candidato a deputado federal Túlio Gadêlha inicialmente especulado para a função, declarou que sua presença na chapa representa a quebra da hegemonia masculina na política. A candidata, que deu à luz a sua filha há 15 dias, prometeu empenho para ajudar Rands junto ao público feminino.

“Não só tem A ou B. Existe alternativa em Pernambuco e uma alternativa onde as mulheres terão oportunidade para ocupar o espaço que também é delas e assim termos igualdade de direitos”, disse a candidata.

Palanque para Lula e Ciro

Anunciado praticamente no fim do prazo para a realização das convenções, o bloco “O Pernambuco que você quer” tinha como objetivo, além de ser uma alternativa à polarização protagonizada pelo governador e candidato à reeleição Paulo Câmara (PSB) e pelo senador e candidato Armando Monteiro Neto (PTB), ser o palanque do candidato à Presidência Ciro Gomes (PDT) em Pernambuco. O pedetista tenta vencer o isolamento depois de perder o “centrão” para o candidato Geraldo Alckmin (PSDB) e da decisão do PSB de se manter na neutralidade graças a articulação do PT.

A nova chapa pernambucana, contudo deverá impor a Ciro a necessidade de dividir o espaço com o candidato dos petistas. Defensor ferrenho do ex-presidente Lula – condenado e preso pela Operação Lava Jato –, o deputado federal e candidato ao Senado pelo Avante, Silvio Costa, reafirmou que fará campanha para o petista e que “votará nele ou em quem ele mandar” mesmo criticando o PT, chamando de “banda nojenta” os que articularam a retirada da candidatura de Marília Arraes.

Rands que é do PROS, sigla que na sexta-feira aprovou o apoio a Lula, disse que seu papel será dar espaço para as duas candidaturas. Ele não quis declarar voto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.