Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Estamos fazendo um 'trabalho belíssimo', diz coordenador de conselho de fake news do TSE

Estêvão Waterloo defende atuação do órgão no combate à desinformação nas eleições 2018

Rafael Moraes Moura e Amanda Pupo, O Estado de S.Paulo

22 de outubro de 2018 | 20h41

BRASÍLIA - O secretário-geral do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Estêvão Waterloo, disse nesta segunda-feira, 22, que a Justiça Eleitoral está fazendo um “trabalho belíssimo” no combate à disseminação de notícias falsas nas redes sociais. Waterloo é o coordenador do Conselho Consultivo sobre Internet e Eleições do TSE, que passou quatro meses sem se reunir.

O grupo, voltado para a formulação de estratégias para combater a proliferação de fake news, só voltou a se encontrar depois do primeiro turno das eleições. Na reunião desta segunda-feira, participaram das discussões representantes do Facebook, Google e WhatsApp (por teleconferência) e agências de checagem de notícias.

“Não há nação democrática no mundo hoje que tenha feito um trabalho melhor do que o que nós estamos fazendo e do que vocês estão fazendo na temática na fake news. Não é possível sequer comparar”, disse Waterloo a jornalistas, depois de participar de reunião do Conselho Consultivo sobre Internet e Eleições.

“Então, podendo assim comparar pra quem olha um copo pela metade com água, você pode achar que o copo tá meio cheio ou meio vazio, a minha opinião é que a gente está fazendo um trabalho belíssimo e que não minimizamos esse tipo de problema”, comentou Waterloo.

A avaliação positiva do secretário-geral do TSE não é compartilhada por outros conselheiros ouvidos reservadamente pela reportagem, que acreditam que o tribunal minimizou o problema e está atuando a reboque dos acontecimentos.

Para um participante da reunião desta segunda-feira, o TSE “chegou tarde demais” e o nível da discussão parecia em estágio “inicial” sobre como combater a desinformação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.