Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

'Estamos assistindo ao fim do governo', afirma Aécio

Tucano e oposicionistas atacam confusão feita no governo sobre plebiscito e preparam proposta de uma reforma política

Ricardo Brito / Brasília, O Estado de S.Paulo

05 de julho de 2013 | 02h06

O vaivém do governo sobre a proposta do plebiscito deu munição para novas críticas da oposição. "O que estamos assistindo, infelizmente para o Brasil, é o fim antecipado de um governo que não consegue dar respostas", atacou o presidente do PSDB, senador Aécio Neves (MG), provável candidato à Presidência em 2014. "É um governo velho que continua falando para um Brasil novo", disse.

Aécio classificou de "engodo" a proposta do governo de fazer um plebiscito sobre reforma política para vigorar a partir das próximas eleições. "Era um engodo, era uma forma de desviar a atenção da população das questões centrais. O governo erra muito e quem perde é a população brasileira", criticou ele.

O tucano lembrou que a proposta de realização de uma Assembleia Constituinte exclusiva para fazer a reforma política não durou 24 horas, mesmo a presidente sabendo que seria "inviável" de ser efetuada. "Quando ela mandou a proposta de plebiscito sobre um tema tão complexo, sabia que era inviável", afirmou.

Reforma fatiada. Para o presidente do PSDB, a reforma política fatiada é o único caminho para que a proposta prospere no Congresso. Aécio disse que seu partido apresentará na próxima terça-feira os pontos de consenso na legenda sobre a matéria. Ele afirmou que vai conversar com outros partidos a fim de estabelecer uma agenda do assunto que atenda "ao País e não ao partido da presidente da República".

O vaivém do vice-presidente Michel Temer, que disse ser "temporalmente impossível" fazer as mudanças neste ano e, quatro horas depois, recuou da posição depois de ser pressionado pela presidente Dilma Rousseff, virou terreno fértil para os ataques oposicionistas.

"Nunca senti firmeza na manifestação do Temer e queria que ele tivesse mantido a posição que os líderes interpretaram", afirmou o presidente do DEM, senador Agripino Maia (RN), sobre o encontro do vice-presidente com ministro e líderes partidários da base aliada do Congresso ontem pela manhã em que inicialmente ficou claro a impossibilidade de aprovar a matéria.

"A Dilma quis se sintonizar com a rua uma proposta que traduz uma ilegalidade", criticou o presidente do DEM.

Mesmo na base aliada houve questionamentos sobre a falta de comando político do governo. Integrante de partido da base aliada, o líder do PSB no Senado, Rodrigo Rollemberg (DF), classificou como impressionante o "nível de improvisação" do governo. "Estamos percebendo a fragilidade das ações do governo", afirmou ele.

Sintonia. Segundo o socialista, entusiasta da candidatura presidencial do governador de Pernambuco, Eduardo Campos, o debate sobre a realização do plebiscito não está em sintonia com os anseios manifestados pela população nos protestos que tomaram as contas das cidades. Para ele, qualquer pessoa de "bom senso" sabe que é "impossível" não realizar a consulta popular a fim de reformar o sistema político-eleitoral para as eleições de 2014.

Pela manhã, o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), sinalizou apoio a um referendo após o Congresso eventualmente aprovar uma reforma política. A presidente é contra o referendo, que é autorizativo. "Se houver dificuldade para aprovação do plebiscito na Câmara, é obvio que a partir daí todo mundo vai tentar construir uma alternativa para votar a reforma. Na medida em que se vota a reforma e se quer ouvir a sociedade, a única maneira de fazê-lo é o referendo."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.