Estado nega queda nos investimentos do Tesouro

A Secretaria de Estado do Planejamento e Desenvolvimento Regional afirmou que não houve redução nos investimentos com verbas do tesouro estadual. Segundo a pasta, houve ampliação da capacidade do Estado de investir com os próprios recursos. O governo, no entanto, não elencou as áreas que receberam transferências.

Adriana Ferraz, O Estado de S.Paulo

24 Junho 2013 | 02h14

Sobre a ampliação da disponibilidade de caixa líquida de 2010 para cá, a secretaria justificou que o volume maior de restos a pagar se deve à ampliação da capacidade de investimento do governo. Esse total, no orçamento de 2013, chega a R$ 23 bilhões somente em investimentos - levando-se em conta os recursos do Tesouro Estadual e de outras fontes de financiamentos nacionais e internacionais.

Por e-mail, a gestão de Geraldo Alckmin ressaltou ainda que a liquidação dos restos a pagar também depende da velocidade de cada projeto e da capacidade física de execução dessas obras. O atraso em parte delas explica, portanto, a reserva elevada. As obras do Metrô, em especial, demandam muitas licenças.

Mais conteúdo sobre:
protesto protestos

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.