André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

‘Está na mesa o MDB não ter candidato’, diz Jucá

Presidente nacional do MDB, senador afirma que sigla mantém conversas com PSDB e PRB embusca de uma aliança

Entrevista com

Romero Jucá, senador e presidente do MDB

Julia Lindner e Adriana Fernandes, O Estado de S.Paulo

10 Maio 2018 | 05h00

O presidente do MDB, Romero Jucá (RR), indicou que o presidente Michel Temer (MDB) não será mesmo candidato à reeleição. Em entrevista ao Estadão/Broadcast, o senador disse que o principal objetivo do partido é eleger “a maior bancada da Câmara e do Senado”. Jucá afirmou que, se não for candidato, Temer “não estará na eleição”.

Ele admitiu conversas com PSDB e PRB em busca de uma aliança e que o nome deve ser o de um político. “O MDB não ter candidato em prol de uma convergência está na mesa.” Sobre a candidatura do tucano Geraldo Alckmin, resumiu: “Alckmin é um ‘recall’ de eleições para a Presidência”.

Michel Temer e Henrique Meirelles aceitariam desistir de uma candidatura própria?

O presidente tem dito que não é um obstáculo para um entendimento. Temer está dizendo com todas a letras que não é empecilho. Se tiver um nome melhor do que o dele, que possa firmar, ele diz: ‘Retiro a candidatura’. Meirelles também não é empecilho, mas quer estar no jogo para ser avaliado.

+ Temer tenta ponte com o PSDB; Skaf reage em São Paulo

A desistência está na mesa?

O MDB não ter candidato em prol de uma convergência, isso está na mesa. Para garantir a transição, as conquistas que tivemos até agora, a estabilidade, o MDB vai fazer parte de um debate que, necessariamente, não vai forçar uma candidatura própria. O MDB pode ajudar a construir um entendimento se for uma candidatura mais viável. O que temos que discutir é viabilidade eleitoral.

Meirelles e Temer juntos não passam de 2% nas pesquisas...

Eles começaram agora. A gente tem que discutir o que está nesse jogo. Você vê, Alckmin é o que tem maior índice (entre os candidatos de centro), mas está estacionado. Ele é um ‘recall’ de eleições para Presidência, foi governador quatro vezes, mas é importante que ele demonstre capacidade de vitória, de passar para as pessoas a condição de dar estabilidade.

+ Alckmin: É possível fazer alianças com partidos que já têm pré-candidatos

Os nomes já testados em eleições anteriores vão conseguir defender um novo discurso?

O MDB está evoluindo. Estamos com outra prática política. Podemos melhorar os procedimentos, punir políticos que agiram erradamente, mas, se não tiver política, o que sobra é a aventura. Um discurso fácil de eleição não é possibilidade fácil de governo depois.

O sr. está falando do pré-candidato Jair Bolsonaro (PSL-RJ)?

Qualquer um.

O sr. acha que ainda pode aparecer um nome novo na disputa?

Acho difícil. O jogo já está jogado. Entre os partidos de centro, temos que achar um nome que tenha condição de fazer duas coisas: capacidade de repassar à sociedade preceitos dessa corrente e mostrar que pode ganhar eleição. Se for para o 2.º turno, já ganhou eleição.

+ Skaf cobra apoio de Temer por candidatura ao governo de São Paulo

Para o MDB, o candidato de centro precisa defender o legado do presidente Michel Temer?

A defesa do legado se dará na medida em que esse grupo defenda a continuidade da travessia. Não estamos discutindo a defesa do presidente. O presidente, se não for candidato, não estará na eleição. Estamos discutindo as ações do governo. Queremos inflação abaixo da meta e taxa de juros mais baixa? Queremos crescimento econômico e responsabilidade fiscal? Queremos que reformas desonerem o contribuinte? Quem for candidato de centro vai defender esses preceitos. Não é que vai no palanque elogiar Michel Temer.

Já é certo que Temer ficaria fora da campanha?

Ele vai governar. Ele não vai, como presidente, participar.

Qual o objetivo do partido?

O MDB vai trabalhar para eleger a maior bancada da Câmara e do Senado. Ter candidato à Presidência é uma opção. Buscar a grandeza na Câmara e no Senado é decisão já tomada.

E as conversas como o PSDB?

São embrionárias ainda.

+ William Waack - Sem ‘outsider’

A candidatura de Paulo Skaf ao governo de São Paulo entra na negociação com o PSDB?

A candidatura do Skaf é posição do MDB nacional. É para valer. As candidaturas que temos nos Estados são para valer. Queremos criar uma base sólida de governadores e no Congresso. O MDB tem outros horizontes.

De que forma a saída do ex-ministro Joaquim Barbosa (PSB) muda o quadro eleitoral?

Muda porque você tem a saída de um outsider reconhecidamente com um número significativo na pesquisa. Esse espaço de outsider se reduz mais. Em tese, os candidatos, tirando o João Amoêdo e o Flávio Rocha, você não tem novidade. São pessoas já testadas nas eleições, já fizeram campanha, todo mundo sabe dos prós e contras. (A tendência) Vai ser eleger um político.

A economia patina. Como lidar com isso na campanha?

A economia está patinando porque está sentido os efeitos da imprevisibilidade do resultado das eleições. Os grandes investimentos foram colocados em ritmo mais lento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.