Esquadrilha da Fumaça vai voar com o Super Tucano

O ágil T-27 Tucano será substituído até o fim do ano pelo novo e mais pesado A-29, uma aeronave de ataque leve

ROBERTO GODOY, O Estado de S.Paulo

16 de setembro de 2012 | 03h07

Troca de guarda na Esquadrilha da Fumaça, o Esquadrão de Demonstração Aérea da aviação militar brasileira. Sai um bailarino, o elegante T-27 Tucano, e entra um guerreiro, o A-29 Super Tucano. A mudança vai ocorrer até o fim do ano. Estava prevista para 31 de agosto, a tempo de os primeiros aviões já pintados nas cores da bandeira nacional voarem sobre Brasília na manhã do dia 7 de setembro. Não deu tempo.

A nova data depende de ajuste de várias agendas, talvez mesmo a da presidente Dilma Rousseff, a quem as aeronaves seriam apresentadas na festa da Independência. Não há grandes gastos envolvidos na manobra. A Força Aérea tem mais de 90 unidades operacionais do Super Tucano. Vai liberar 12 delas para a Fumaça. O suporte técnico está sendo dado pela Embraer Defesa e Segurança, fabricante dos aviões.

O Esquadrão funciona em Pirassununga, interior paulista, na Academia da Força Aérea. O comandante, tenente-coronel Wagner de Almeida Esteves, lidera 13 pilotos especializados e um número bem maior dos chamados Anjos da Guarda, técnicos de manutenção das aeronaves.

O grupo comemorou 60 anos em maio. Durante esse período, esteve desativado de 1977 até 1982. Em média, faz cerca de cem apresentações por ano - desde 1952, foram 3.400 espetáculos, no Brasil e em outros 21 países. Os testes de avaliação do A-29 foram feitos na Base Aérea de Natal, no Rio Grande do Norte. Havia certa preocupação com a adequação do modelo, maior e mais pesado que o T-27, às necessidades acrobáticas. "Fomos surpreendidos com a compatibilidade. O Super Tucano realiza todas as manobras do 'tucaninho'", disse ao Estado um oficial aviador.

O problema a ser superado está na estrutura da asa, robustecida no A-29. No momento, em Natal, segue o desenvolvimento do mecanismo que produz a fumaça característica da equipe.

Diferenças. O ágil T-27 é um turboélice de treinamento, com eventual aplicação em missões de combate. O A-29 é destinado a ataque leve e, também, à instrução avançada. Há diferenças técnicas importantes. A motorização, por exemplo, emprega o conjunto propulsor de 750 shp no Tucano e outro com 1.600 shp no Super Tucano. A eletrônica de bordo também é mais avançada, equivalente à de caças pesados (veja as fichas).

O Tucano, da Embraer, foi incorporado à Fumaça em 1983. Antes dele, o time voou com o americano T-6, da Segunda Guerra Mundial. Logo depois recebeu o jato francês Fouga Magister, fraco e de pequena autonomia. Os lentos T-25, de formação primária dos alunos da AFA, serviu no esquadrão, até início dos anos 1980.

Servindo de referência comercial do fabricante, o T-27 Tucano é um sucesso comercial. Foi produzido sob licença na Grã-Bretanha. Equipou a Armée de L'Air, da França, a Royal Air Force, da Inglaterra, Argentina, Colômbia, Egito, Honduras, Irã, Iraque, Paraguai, Peru e Venezuela.

O ministro da Defesa, Celso Amorim, acredita que o mesmo procedimento promocional poderá beneficiar o A-29 Super Tucano. Para Amorim, esse efeito será ainda mais efetivo quando o Esquadrão fizer os deslocamentos com apoio do novo cargueiro militar da Embraer, o KC-390. O avião será recebido em 2016.

O Tucano que sai da Esquadrilha recebeu a primeira mulher a voar no time em 2010. A tenente Daniele Lins fez um voo de instrução acompanhada de um dos titulares do grupo. A Aeronáutica não tem um plano nessa área, mas acredita que as primeiras pilotos regulares cheguem ao EDA em quatro ou cinco anos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.