Escândalo já unia parlamentar e doleiro em 1998

O deputado licenciado André Vargas (PT-PR) foi condenado a devolver aos cofres da prefeitura de Londrina (PR) R$ 10 mil provenientes de um esquema de desvio de dinheiro público na gestão do ex-prefeito Antonio Belinatti (1996-2000). O dinheiro foi usado para pagar contas da campanha a deputado federal do hoje ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, em 1998. O doleiro Alberto Youssef, preso na operação Lava Jato da Polícia Federal, aparece como réu em outro processo relacionado aos mesmos fatos.

Ricardo Galhardo, Enviado Especial / LONDRINA, O Estado de S.Paulo

09 de abril de 2014 | 02h02

A condenação foi proferida pelo juiz da 1ª Vara da Fazenda Pública de Londrina, Marcos José Vieira, em maio de 2012. Vargas apresentou recurso no Tribunal de Justiça do Paraná. O recurso ainda não foi apreciado.

Na época, Vargas era filiado ao PT, não exercia cargo público e era o coordenador regional da campanha de Paulo Bernardo a deputado federal em dobradinha com Antonio Carlos Belinatti, candidato a deputado estadual. Antonio Carlos é filho do ex-prefeito Antonio Belinatti, cassado em 2000 e preso duas vezes por supostamente comandar um esquema que desviou R$ 20 milhões da prefeitura.

Segundo a sentença, os R$ 10 mil usados por Vargas saíram da Autarquia Municipal do Ambiente por meio de licitação fraudada. No mesmo dia, a AMA liberou recursos para outra licitação falsa que resultou em um processo por lavagem de dinheiro, falsidade documental, falsidade ideológica e formação de quadrilha do qual Youssef é réu. O processo contra o doleiro ainda não foi julgado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.