Entidades propõem rastrear emendas

Objetivo de especialistas em lavagem de dinheiro, que integram a Enccla, é dar mais transparência a convênios com poder público

FAUSTO MACEDO, ANNE WARTH / AGÊNCIA ESTADO, ENVIADOS ESPECIAIS, BENTO GONÇALVES (RS), O Estado de S.Paulo

26 de novembro de 2011 | 03h03

A Estratégia Nacional de Combate à Corrupção e à Lavagem de Dinheiro (Enccla) - organização constituída por 70 entidades do poder público - propôs ontem a inclusão de todas as emendas parlamentares no banco de dados do Sistema de Gestão de Convênios e Contratos de Repasse (Siconv).

A meta é armazenar informações sobre as emendas, desde os ofícios expedidos por deputados destinando recursos, incluindo detalhes sobre o tipo, número, origem, data e valor da despesa. Os dados serão inseridos em um campo denominado "emendas parlamentares".

O Siconv integra a estrutura do Ministério do Planejamento e foi criado por indicação do Tribunal de Contas da União para garantir a transparência do gasto público federal realizado mediante transferências voluntárias de ministérios e autarquias a organizações não governamentais (ONGs) e entidades sociais.

Técnicos do Siconv destacam ausência de informação específica relativa a emendas. "Os ofícios são comumente gravados na aba anexos, que normalmente abriga dezenas de outros documentos, de naturezas diversas, dificultando sobremaneira a localização da informação desejada", adverte documento submetido à Enccla, que ontem encerrou sua reunião anual em Bento Gonçalves (RS) com a aprovação de 14 ações.

A Polícia Federal defende a inclusão no sistema de gestão de convênios de todos os relatórios acerca de repasses de verbas da União, inclusive das emendas de deputados. "No âmbito da PF interessa muito porque facilita nossas investigações", anotou o delegado Josélio Azevedo de Sousa, que cuida dos inquéritos sobre malversação de dinheiro público. Ele relatou o caso de duas emendas no valor de R$ 3 milhões em que se constatou "inexecução total do objeto". "As entidades confessaram que o dinheiro retornou ao parlamentar", assinalou.

De fora. Documento do Siconv revela que, em termos de instrumentos celebrados, cerca de metade das transferências passíveis de execução estão registradas no sistema, o que representa R$ 22, 6 bilhões. Outros R$ 26,5 bilhões estão fora do cadastro. "Em termos de valores, a execução no Siconv fica reduzida a 46% do volume de transferências", diz o relatório.

Quadro sobre convênios vigentes até 30 de junho de 2011 mostra que o Fundo Nacional de Desenvolvimento Econômico detém 30% das transferências executadas fora do Siconv. Os seis primeiros órgãos, de uma lista de 81, concentram cerca de 78% dessas transferências. Em volume de recursos, o FNDE concentra pouco mais de 19% das transferências, enquanto os seis primeiros órgãos respondem por 66%.

Ao Gabinete de Gestão de Integrada da Enccla foi apresentado um rol de sugestões para alterações no Siconv. Essas indicações serão encaminhadas aos ministérios da Fazenda e Planejamento, à Controladoria-Geral e ao Tribunal de Contas da União.

Outra proposta aprovada é sobre o acompanhamento da execução dos convênios. O objetivo é "criar indicadores e alertas sobre a possibilidade de ocorrência de eventos indesejáveis na execução do convênio devido ao descompasso entre os cronogramas físico e financeiro".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.