Entidades cobram ampliação de programa de Campos

O principal programa de transferência de renda do governador e presidenciável Eduardo Campos (PSB) é o Chapéu de Palha. Ação complementar do Bolsa Família, destina-se a diminuir os problemas dos trabalhadores da cana-de-açúcar, na zona da mata pernambucana, na fase de entressafra, quando o desemprego aumenta. Também atende trabalhadores da fruticultura do sertão do Rio São Francisco e pescadores artesanais.

Angela Lacerda / RECIFE, O Estado de S.Paulo

02 de setembro de 2013 | 02h07

Os trabalhadores recebem R$ 246 - o equivalente a meio salário mínimo. Cada família só pode ter um beneficiário. No ano passado foram concedidos 54.963 benefícios, com recursos no valor de R$ 41,7 milhões. A contrapartida exigida é a frequência dos inscritos a cursos de qualificação profissional.

Entidades de representação dos trabalhadores reivindicam a extensão do benefício a mais de uma pessoa da família. Mas o governo não pretende fazer mudanças. "O objetivo é atingir o maior número de famílias", explica o secretário de Planejamento e Gestão, Frederico Amâncio, que coordena o programa.

No sertão pernambucano, o presidente do Sindicato dos Trabalhadores de Petrolina, Francisco Pascoal, também aponta falhas na inserção das pessoas no mercado de trabalho. Segundo suas informações, é pequeno o porcentual de canavieiros que fizeram cursos de qualificação e foram aproveitados pelas empresas do complexo portuário e industrial de Suape.

O secretário Amâncio assinala que nem sempre é possível dar ao trabalhador um nível de formação que lhe garanta maior estabilidade. Muitos não tiveram acesso ao ensino básico, explica.

Para o secretário, o Chapéu de Palha não deve ser visto como programa de transferência de renda, porque seus objetivos são mais amplos: "Ele cria perspectivas de vida".

Rurais e estudantes. Alagoas e Sergipe também mantêm programas de transferência de renda na zona rural em determinadas épocas do ano. O Sergipe Mão Amiga atende trabalhadores das culturas da cana-de-açúcar e da laranja.

Um número maior de Estados - São Paulo, Amazonas, Amapá, Rio de Janeiro e Minas Gerais - tem ações específicas para jovens estudantes de famílias em situação de miséria, com o objetivo de evitar evasão escolar. O programa Ação Jovem, mantido pelo governador tucano Geraldo Alckmin, beneficiou 103 mil jovens em 2012, mobilizando R$ 95,7 milhões. / COLABORARAM Roldão Arruda, Lilian Venturini, Valmar Hupsel Filho e Marcelo Portela

Tudo o que sabemos sobre:
Bolsa Família

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.