Enterro de Campos e assessores está previsto para domingo

De acordo com o Governo de Pernambuco, velório será coletivo, com as quatro vítimas pernambucanas, e acontecerá no sábado

Angela Lacerda , O Estado de S. Paulo

14 de agosto de 2014 | 18h26

Atualizado às 19h07

O velório dos restos mortais de Eduardo Campos será coletivo, junto com as de outras três vítimas pernambucanas da tragédia (o jornalista Carlos Percol, o fotógrafo Alexandre Severo e o cineasta Marcelo Lyra). A cerimônia, segundo informação divulgada pelo governo pernambucano, aconteceria a partir de sábado. O sepultamento, por sua vez, seria no domingo próximo. 

Já o prefeito de Recife, Geraldo Julio, não confirmou a data do velório, tampouco do enterro. Em entrevista a jornalistas na capital pernambucana, o político disse que a realização das cerimônias "não está condicionada à vontade de ninguém."

De acordo com ele, todos aguardam o fim do reconhecimento, que é realizado em São Paulo. "Só podemos dar uma previsão. A confirmação só vai poder ser feito no fim dos trabalhos (de reconhecimento). A previsão é para sábado. Se houver condição de transporte dos corpos no sábado é provável que o velório seja realizado ainda no dia e o enterro no domingo. Mas é apenas uma previsão, nossa atenção está voltada para as famílias", disse o prefeito.

LOCAL

Segundo a viúva do jornalista Carlos Percol, Cecília Ramos, o velório será no Palácio do Campo das Princesas, sede do Governo de Pernambuco. Em uma entrevista emocionante, ela contou que o marido vivia os momentos mais felizes da vida dele, estava fazendo o que gostava, que junto com Campos formavam uma dupla incansável, com muita confiança na conquista dos projetos. 

Ela tirou uma licença para ficar mais tempo com Percol e havia mudado para São Paulo há dez dias. "Mesmo assim  não dormi um dia como meu marido. A gente ia tentar se ver ontem", disse. 

Apesar da falta de tempo não se importava diante da realização do companheiro. Ele estava muito feliz e não via nem ele nem Eduardo reclamarem de cansaço. A missão era esta e eles estavam dispostos a cumprir. Foi a melhor pessoa que conheci na vida. Não havia tempo ruim para eles", afirmou

Cecília disse que Percol foi a melhor pessoa que conheceu na vida e que aprendeu com ele, a ver o lado bom das coisas. "O que aconteceu mostra que a gente se comprometa  para fazer o bem. Meu conforto que ele estava tão feliz",concluiu.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.