Enquanto Marta e Kassab se atacam, Alckmin fala de propostas

Logo no início do programa, um locutor prometeu mostrar que a candidata 'ama o povo e é amada por ele'

Ana Luísa Westphalen, da Agência Estado

19 de setembro de 2008 | 15h04

Enquanto os candidatos à Prefeitura paulista  Marta Suplicy (PT) e prefeito Gilberto Kassab  (DEM) trocaram farpas sobre a gestão adversária, o tucano Geraldo Alckmin, empatado com Kassab em segundo lugar na disputa eleitoral, com 22% das intenções de voto, de acordo com pesquisa do Datafolha divulgada na última quinta-feira, ficou de fora da briga, no programa desta sexta do horário eleitoral gratuito na TV.   Veja Também: Especial: Perfil dos candidatos  Blog: propostas dos candidatos de São Paulo na sabatina do 'Grupo Estado' Marta tem 37%; Alckmin e Kassab estão empatados, diz pesquisa Ibope: Veja números das últimas pesquisas    Logo no início do programa de Marta, um locutor prometeu mostrar que a candidata "ama o povo e é amada por ele". Ela lidera a disputa pela Prefeitura, segundo pesquisa do DataFolha divulgada, com 37% das intenções de voto. Nas imagens, sempre mostrando a petista em meio à população, os moradores faziam questão de mostrar que os programas da petista foram interrompidos na gestão de Serra e Kassab. Em um dos depoimentos, uma mãe de cinco filhos, moradora da zona Leste, reclamava que, com a mudança de gestão, o valor recebido por ela por meio do programa Renda Mínima diminuiu. Por fim, Marta convocou seus eleitores a comparecerem ao comício que fará amanhã em companhia do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, na capital paulista.   O programa eleitoral de Kassab começou com um jingle citando taxas criadas por Marta e uma suposta "taxa da antena", em referência à proposta da petista de implantar internet com banda larga gratuita na cidade. O democrata acusou a petista de não ter investido no Metrô durante o período em que foi prefeita, enquanto ele, por sua vez, disse ter investido mais de R$ 1 milhão no transporte subterrâneo.   Esquecido pelos adversários, o candidato tucano à Prefeitura, Geraldo Alckmin, optou por não fazer críticas aos outros candidatos e usou seu tempo no horário eleitoral de hoje para falar sobre saúde pública. Ele comparou a profissão de médico com a de governador, dizendo que o administrador público "cuida das pessoas de maneira mais ampla". Ele prometeu melhorar gradativamente o sistema de saúde municipal e citou as Assistências Médicas Ambulatoriais (AMAs), meninas dos olhos de Kassab, como uma criação sua, em parceria com o governador José Serra (PSDB).   Paulo Maluf (PP) trouxe em seu programa de hoje a candidata a vice em sua chapa, Aline Corrêa, que enalteceu as obras construídas pelo candidato. A candidata do PPS, Soninha Francine, destinou seu tempo às propostas para política ambiental e Levy Fidelix (PRTB) apresentou sua alternativa para o transporte urbano, assim como Renato Reichmann (PMN) e Ciro Moura (PTC). Ivan Valente (PSOL) chamou atenção para a superlotação das salas de aula, Edmilson Costa (PCB) centrou no tema da educação e a candidata Anaí Caproni (PCO) fez críticas ao sistema de saúde municipal.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.